Preparando-se para a Guerra, o norte de Israel não esquece 2006

Quando mísseis atingiam o norte de Israel, os virurgiões do Rambam Hospital, em Haifa, trabalharam aterrorizados no oitavo andar do edifício.  Naquele verão os mísseis explodiam a menos de 20 jardas, colocando em perigo a equipe e os pacientes do maior hospital do norte de Israel e a central para atendimento aos soldados feridos na batalha.

“Não havia nem um esquadrão antibombas, pois  pensávamos que nunca iriam bombardear um hospital”, disse o dr. David Ratner, porta-voz do Rambam.

 

“Nós não estávamos prontos. A mensagem que recebi foi de que precisávamos nos tornar um hospital que poderia tratar as pessoas sob ataque.”

 

A experiência levou o hospital a criar uma infraestrutura para operar em tempos de guerra, no terceiro andar do subsolo, onde normalmente funciona um estacionamento e uma garagem subterrânea que vai se tornar, se as bombas voltarem a cair novamente, um dos hospitais mais importantes do mundo em emergência.

Três andares abrigarão 2.000 leitos suficientes para cuidar não só física ou psicologicamente dos feridos da zona de guerra, mas também para os pacientes internados, em sua maioria criticamente enferma e pacientes ambulatoriais Inclusive dos que necessitam de tratamentos regulares, como hemodiálise.

 

“As pessoas não vão parar de ter bebês” durante uma guerra.

 

Como as tensões com o Irã, e o temor de que a guerra civil da Síria possa atingir Israel (pela primeira  vez desde que a guerra começou, forças sírias desembarcaram nas Colinas de Golã, no mês passado), as cidades israelenses e instituições como Rambam estão se preparando caso haja uma repetição potencial do bombardeio de mísseis visto durante a guerra de Israel com o Hezbollah em 2006.

 

Qualquer guerra com o Irã deverá suscitar ataques de retaliação por parte do Hezbollah, a milícia tem procuração iraniana no Líbano e, possivelmente, do Hamas, que controla Gaza e tem recebido financiamento e armamento da República Islâmica.

 

Em 2006, o norte de Israel foi pego em grande parte despreparado para a guerra. Anteriormente, por seis anos, após a retirada de Israel do sul do Líbano em 2000, a região desfrutou de relativa calma. Mas mais do que 4.000 mísseis foram disparados contra Israel durante os 34 dias de guerra em 2006, levando grande número de pessoas a fugir de casa, deixando 163 de seus soldados e civis israelenses mortos. No lado libanês, houve mais de 1.000 mortes.

 

Nos seis anos de silêncio que se seguiram à guerra, os moradores permaneceram em guarda. Naharia, uma cidade de mais de 50.000 habitantes na  costa norte de Israel, situada a menos de 10 quilômetros da fronteira libanesa, sofreu com centenas de foguetes e duas mortes na guerra de 2006.

 

Desde então, a cidade melhorou seus serviços de emergência, criou novos abrigos e implementos, como parte de um sistema nacional de alerta. O hospital de Naharia, como Rambam, tem uma ala de emergência no subsolo. Mas Izik Moreli, gerente da divisão de segurança de Naharia, disse que a natureza imprevisível de uma ameaça terrorista significa que a cidade nunca pode estar totalmente preparada para a guerra.

 

“Eu acho que estamos muito mais preparados”, disse Moreli. “Mas espero que não encontremos coisas inesperadas, como em 2006”.

 

Fonte: JTA

Veja também

Nota de repúdio sobre o “Desafio do Holocausto” da Rede Social TikTok

Deixe uma resposta

Skip to content