Tribunal húngaro permite manifestação da extrema direita antes de reunião do Congresso Judaico

Um tribunal húngaro deu o aval para um protesto da extrema-direita no sábado, antes de uma conferência internacional de líderes judeus em Budapeste, dizendo que a decisão da polícia que proibiu a manifestação foi tardia e ilegal.

Mas o primeiro-ministro Viktor Orban, que havia ordenado a proibição, disse que a decisão do tribunal foi “inaceitável” e pediu ao presidente do Supremo Tribunal Federal para intervir e ao ministro do Interior para parar a passeata.

A manifestação, que será realizada perto do Parlamento, contará com discurso de líder do partido de extrema direita que defende a criação de listas com nomes dos judeus por considerá-los ameaças à segurança nacional e já foi condenado internacionalmente.

O surgimento de movimentos de extrema-direita e do antissemitismo na Europa, notadamente na Hungria, onde mais de meio milhão de judeus foram mortos no Holocausto, será o foco do Congresso Judaico Mundial, quando ele se reunir em Budapeste no domingo.

Veja também

Nova York tem tentativa de ataque terrorista nesta manhã

O maior terminal rodoviário do mundo foi palco da tentativa de um ataque terrorista, conforme …

Deixe uma resposta