B’NAI B’RITH INTERNACIONAL RELEMBRA ATENTADO À EMBAIXADA DE ISRAEL EM BUENOS AIRES

A B’nai B’rith Internacional recorda o 22º aniversário do atentado contra a embaixada de Israel em Buenos Aires. Na tarde de 17 de março de 1992, um terrorista suicida conduziu um caminhão carregado de explosivos na esquina da Embaixada e detonou várias bombas. O ataque matou 29 pessoas e feriu 242, destruiu uma igreja e uma escola. Foi o maior ataque terrorista da Argentina em número de mortos, até que a Associação Mutual Israelita Argentina (AMIA) foi bombardeada em outro atentado em 1994. O ataque matou 85 pessoas e feriu 300. O Irã foi vinculado a ambos atentados, mas nenhum dos perpetradores foi levado perante a Justiça.

“Vinte anos depois, as feridas deste ataque, ainda estão frescas”, disse o presidente da B’nai B’rith Internacional Allan J. Jacobs. “É difícil colocar um fim nesta horrível tragédia quando ninguém foi levado perante a Justiça. Apesar da passagem dos anos, a B’nai B’rith não esquecerá está perda desnecessária de vidas”.

Os ataques à Embaixada e ao edifício da AMIA foram atribuídos ao braço terrorista do Irã – o Hezbollah – com um relatório oficial do escritório do procurador argentino que indicou o Irã como responsável do atentado à AMIA. Desde 2007, um “alerta vermelho” da INTERPOL (que indica que a Argentina está buscando a prisão e a extradição de uma pessoa em particular) foi emitida em relação ao ministro da Defesa do Irã.

Apesar de todos os fatos que apontam o Irã como o autor por trás de todos estes atos terroristas, em janeiro de 2013, a Argentina assinou um acordo com o Irã que pretende colaborar na busca dos perpetradores do atentado à AMIA. É chocante pensar que a Argentina espera que o Irã seja um parceiro leal na busca por Justiça.

“É assombroso que mesmo com grande quantidade de provas mostrando que ambos ataques terroristas em Buenos Aires foram realizados pelo Irã, a Argentina tenha se alinhado ao regime responsável, em uma duvidosa tentativa de encontrar respostas”, disse o vice-presidente executivo da B’nai B’rith Internacional Daniel S Mariaschin . “A investigação conjunta que os dois governos estão planejando, dificultará ainda mais revelar qualquer vestígio de verdade por trás dos atentados, sendo altamente improvável que dela resulte qualquer ato de justiça.”

Ontem, terça-feira 18 de março, a B’nai B’rith Internacional participou em Buenos Aires da cerimônia em recordação às vítimas do atentado contra a Embaixada de Israel. O presidente da B’nai B’rith Argentina, Mario Wilhelm esteve presente ao ato solene.

Veja também

Seminário e lançamento de livro marcam os sete anos da Cátedra da Cultura Judaica da PUC-SP

Nesta quarta-feira, 22 de novembro, a PUC-SP celebra os sete anos da Cátedra da Cultura …

Deixe uma resposta