Por que os judeus falam tanto sobre o Holocausto?

Uma reflexão para marcar a data da Noite dos Cristais, 9 de novembro.

O  Holocausto foi a maior tragédia da Humanidade no século XX, o clímax da violação dos Direitos Humanos.

Como está escrito na brochura da UNESCO (Organização de Cultura e Ciência da Organização das Nações Unidas) “Por que ensinar o Holocausto?”. Os nazistas empreenderam o assassinato de cerca 6 milhões de judeus, incluindo 1,5 milhão de crianças com métodos tão cruéis e uma política de Estado, até então desconhecidas.

E mais, os judeus, mesmo individualmente influentes não eram contra a Alemanha. Ao contrário, eram cidadãos que contribuíam para o desenvolvimento e engrandecimento da pátria com entusiasmo e orgulho. A partir do Iluminismo (Haskalá) atuavam em todas as profissões, sem constituir grupos de dominação.

Mas, a ideologia antissemita era incitada com furor por Hitler, e com a teoria da superioridade racial alemã aconteceram as humilhações, a destruição das propriedades, a Noite dos Cristais em 1938. A partir daí as perseguições, sob os olhares de colaboradores se intensificaram. Vieram o roubo das propriedades, o fim dos empregos  e a expulsão do país. Aí construíram os guetos, depois os campos de concentração e extermínio, as câmaras de gás e os crematórios.

Também foram perseguidos e levados para os campos: homossexuais, ciganos, dissidentes, Testemunhas de Jeová, eslavos, prisioneiros russos, negros, entre outros.

Mas, por que aconteceu o Holocausto Judaico? Por que os judeus falam tanto disso? Em que foi diferente dos outros genocídios?

Faço minhas as palavras do prof.Yehuda Bauer, diretor do Centro Internacional de Estudos do Holocausto do Yad Vashem e fundador do Centro Internacional Vidal Sassoon de Estudo do Antissemitismo da Universidade Hebraica de Jerusalém, autor de diversas obras.

Diz o prof. Bauer em Probing the depths of Germany antissemitism (Questionando a  essência do antissemitismo germânico, – tradução livre, pg.3): “O Holocausto se tornou o símbolo da maldade em nossa sociedade moderna, principalmente nas chamadas sociedades ocidentais e agora, também em outras áreas do mundo”.

O Holocausto foi uma forma de genocídio. No século XX aconteceram numerosos genocídios e assassinato em massa. Por que focamos mais nos judeus e muito menos no Camboja, tutsis, ciganos, armênios e outros?

 

Como penso que esse é um assunto importante, permitam-me sugerir duas respostas:

Uma parece ser o desenvolvimento de um sentimento  de que o Holocausto ultrapassou algumas fronteiras, ultrapassou certas barreiras. (Quebrou todas as regras da guerra-NT).

Nunca antes aconteceu algo que não pode ser compreendido nas condições existentes. E pode ser descrito de três formas: A primeira é o caráter global do Holocausto. Tanto quanto conheço, praticamente todos os genocídios ou assassinatos em massa foram locais. Com os armênios, tutsis,Camboja, Ruanda e outros foram atacados com a finalidade de elimina-los de uma determinada área.

Já a destruição do judeu não ficou limitada ao alemão. Atingiu o francês, o polonês, o austríaco e outros. Era para acontecer onde os alemães dominassem e seu objetivo era a dominação do mundo em qualquer lugar que fosse.

O segundo motivo foi puramente ideológico.

Como todos  genocídios, o não judaico tinha fins práticos.Os jovens turcos queriam remover os armênios que viviam em regiões étnicas turcas, num império Pan-turco. E eliminar essa classe média que tirava emprego dos turcos étnicos. Os hutus queriam remover os tutsis das terras escassas. O regime Pol Pot visava remover aqueles  que considerava como classe inimiga que se intrometia nas atividades econômicas e culturais, criando uma utopia sem classes que tornaria a vida difícil para si.

Já ,na Alemanha,os judeus não possuíam territórios e contrário à lenda, não controlavam a economia (nem a política,ou a mídia-NT).

Do ponto  vista prático o assassinato dos judeus, foi antiprodutivo ao extremo. Do que conheço, foi o único genocídio em bases puramente ideológicas, oposto às considerações pragmáticas.

Outro ponto: a intenção no Holocausto era para ser total. Cada pessoa de ascendência judaica até a terceira geração foi sentenciada à morte, pelo crime de ter nascido judeu. Pelo que sei,  isso não tem precedentes.” (Leis de Nuremberg-NT)

 

Veja também

A genética do povo judeu, anote na agenda, dia 29 de novembro, às 17h30.

Mais um evento promovido pela B’nai B’rith. Anote na agenda, dia 29 de novembro, às …

Deixe uma resposta

Skip to content