Judeufobia no Senado argentino

Durante o debate, o acordo entre Argentina e Irã sobre a AMIA, o senador Pichetto afirmou que “o ataque à AMIA matou argentinos argentinos e  argentinos de religião judaica que estavam naquele lugar.” Discriminação e judeufobia do presidente do bloco governista, da presidente Kirchner, no Senado. 

Assim, longe de ajudar a construir um país melhor e promover Kirchner, o  senador tem disseminado conceitos obsoletos, divisivos e discriminatórios, que a Argtina deveria ter deixado no passado. 

  “O acordo do governo com o Irã é legalmente INCORRRETO e perigoso” 

O acordo do Governo Nacional com o Irã é juridicamente incorreto e perigoso. A montagem da chamada Comissão da Verdade não está em conformidade com as leis da Argentina e representa uma dispensa parcial da soberania do Estado-nação em matéria judicial. 

Na minha posição como legislador, mas também como Secretário do Congresso Judaico Latino-americano (CJL), na reunião de janeiro na Venezuela, acho que o acordo procura negociar com um Estado que dá refúgio a fugitivos da Interpol

Se a República Islâmica do Irã está pronta para cooperar com a investigação, deve permitir que os suspeitos sejam levados à justiça da Argentina.

Veja também

Campanha CHARIDY Fundo de Bolsas Ninguém Fica de Fora

Para o professor Jonathan Sacks, rabino chefe da Inglaterra, “Os judeus sobreviveram, simplesmente, porque devotaram …

Deixe uma resposta