Dirigentes do Golfo Pérsico querem aprovação popular

Para Thomas L. Friedman parece que ocorreram duas primaveras árabes. A revolução radical na Tunísia, Egito, Síria, Iêmen e Líbia, que ainda não foi capaz de construir democracias inclusivas e estáveis. Mas também evoluções radicais, não divulgadas, aconteceram na Arábia Saudita e em outras monarquias árabes do Golfo Pérsico. Elas envolvem mudanças sutis nas relações entre os líderes e seus povos. Agora, os dirigentes estão  preocupados com sua legitimidade. Leia mais em:

http://noticias.uol.com.br/blogs-e-colunas/coluna/thomas-friedman/2013/12/03/dirigentes-de-paises-do-golfo-persico-querem-aprovacao-popular.htm

Veja também

Seminário e lançamento de livro marcam os sete anos da Cátedra da Cultura Judaica da PUC-SP

Nesta quarta-feira, 22 de novembro, a PUC-SP celebra os sete anos da Cátedra da Cultura …

Deixe uma resposta