Denúncia contra comportamento da mídia repercute nas redes sociais

Uma denúncia feita na última segunda-feira (17) pelo projeto Israel na Web obteve forte repercussão esta semana na internet. O post relatava que, apesar de 25 palestinos terem sido mortos domingo, na Síria, num bombardeio a uma mesquita pela aviação de Bashar Assad, as edições do dia seguinte dos principais jornais do país preferiram não publicar o ocorrido ou fazê-lo de forma extremamente tímida.

“Quando soubemos do massacre de palestinos no domingo, já prevíamos que a cobertura não seria igual à dada pela mídia quando Israel está envolvido”, diz o coordenador do Israel na Web, Renato Aizenman. “Mas, ainda assim, foi surpreendente ver que importantes jornais como o Estadão e o Globo simplesmente ignoraram a notícia. Decidimos denunciar o ocorrido pelo Facebook e por nossa lista de e-mails”.

A repercussão foi imediata e enorme. Em um dia, mais de 2.500 pessoas haviam compartilhado no Facebook e mais de 40% abriram o e-mail enviado. “São taxas muito acima de nossa média, que já é bem alta”, ressalta Aizenman. “Pela rápida disseminação da denúncia e pelos comentários postados, percebe-se que o público está convencido de que a suposta simpatia da imprensa com a causa palestina esconde, na verdade, uma profunda antipatia com Israel.”

Veja também

Seminário e lançamento de livro marcam os sete anos da Cátedra da Cultura Judaica da PUC-SP

Nesta quarta-feira, 22 de novembro, a PUC-SP celebra os sete anos da Cátedra da Cultura …

Deixe uma resposta