Colégio Militar homenageia antigo aluno que possibilitou a criação do Estado de Israel

O tradicional e histórico Colégio Militar do Rio de Janeiro completou hoje 129 anos, um 6 de maio que caiu em belo domingo ensolarado.

Na exposição comemorativa, um painel se destacava, mostrando o retrato do aluno nº. 511, Oswaldo Euclides de Souza Aranha, ainda uma criança, matriculado no 1º ano em 1908.

O painel recorda a atuação de Oswaldo Aranha, 40 anos depois, na criação do Estado de Israel, com seu retrato da caderneta escolar, e a bandeira de Israel.

A exposição apresenta ainda a pasta original de documentos do aluno que um dia seria famoso, passados 110 anos do seu ingresso na Casa de Thomaz Coelho.

Manhã vibrante, naquele estabelecimento fundado em 06 de maio de 1889, por Dom Pedro II e Thomaz Coelho, o ultimo Ministro da Guerra do Império, apenas 6 meses antes de proclamada a Republica, no palacete da Baronesa de Itacuruss7á, na Rua São Francisco Xavier, Tijuca, onde estava montada a exposição.

O Colégio convidou especialmente o Presidente da Academia de Historia Militar, Prof. Israel Blajberg, e o Presidente do Museu Judaico, Max Nahmias.

O Comandante do Colégio Militar, Coronel Himario Brandão Trinas, recebeu exemplares do livro e documentário Estrela de David no Cruzeiro do Sul, para a Biblioteca da instituição, referindo-se a importância de Oswaldo Aranha, como antigo aluno que possibilitou a criação do Estado de Israel. Estavam ainda presentes o presidente da Associação de Pais e Mestres, e da Obra do Estudante Pobre, Celso Leal, a Diretora de Ensino, Coronel Claudia Barroso, o Tenente Magnon, Capelão Militar Católico, o Sargento Aquino, e a Tenente Professora de História Fabrícia, organizadores da exposição, sendo esta autora de um belo álbum sobre a Historia do Colégio Militar.

Um desfile dos atuais alunos, e dos antigos alunos que um dia passaram pelo tradicional Colégio foi realizado, seguindo-se a tradicional demonstração da Cavalaria, coroando a concorrida solenidade.

Israel Blajberg
iblajberg@poli.ufrj.br




Veja também

Ciganos usam centro contra preconceito

“Quando eu era uma criança vendendo cartões-postais a turistas, não pensava que escreveria um livro. …