B’nai B’rith celebra na ONU Dia Internacional de Lembrança do Holocausto

Em evento realizado nas Nações Unidas pelo Dia Internacional em lembrança do Holocausto, a B’nai B’rith focou sua atenção ao programa “Judeus que Resgataram Companheiros Judeus durante o Holocausto”.

O homenageado foi Aron Grunhut, por seu extraordinário esforço ao salvar judeus da Eslováquia, presenteado com a Citação especial.

Inicialmente, Fabrízio Hochschild, do Chile, Secretario Assistente das Nações Unidas para Coordenação Estratégica falou sobre seu avô e os pouco conhecidos esforços para a partir da Bolívia salvar milhares de refugiados judeus ajudando-os a imigrar para aquele país.

O evento em si foi um evento póstumo a Grunhut, um empresário ortodoxo e líder em várias organizações judaicas no que é agora Bratislava, na Eslováquia. Ele começou suas atividades de resgate em 1938, quando participou do salvamento de refugiados judeus enviados para a Hungria a partir da Áustria. Ao mesmo tempo, ele manteve um acampamento com tenda construído para judeus apátridas na Eslováquia e organizou sua jornada para o Mandato Britânico da Palestina. Em 1939, ainda fretou dois barcos a vapor para contrabandear 1.365 judeus da Eslováquia, Hungria, Polônia e Áustria para o pré-estado de Israel.

Grunhut foi preso na Eslováquia em 1943 por sua atividade na resistência. Após sua libertação, se juntou a sua esposa e filho jovem, escondidos sob falsas identidades, na Hungria. De um esconderijo, Grunhut entrou em contato com o subterrâneo húngaro e financiou o contrabando de refugiados judeus de trem de Budapeste para Damasco, salvando mais 300 crianças. Ele próprio encontrou refúgio no porão da antiga embaixada checoslovaca em Budapeste, morando lá com sua esposa e filho até o final da guerra. A família voltou a Bratislava após a guerra, mas partiu para Israel em 1948.

O presidente internacional de B’nai B’rith, Gary Saltzman, saudou a neta de Grunhut, Yael Goren, que aceitou o prêmio do salvador em nome de Benny Goren, seu pai, agora residente da Flórida.

Leia mais: www.bnaibrith.org

Veja também

Ciganos usam centro contra preconceito

“Quando eu era uma criança vendendo cartões-postais a turistas, não pensava que escreveria um livro. …