Quebrando as Tábuas

Artigo do rabino Nilton Bonder em O Globo analisa as recentes eleições em Israel.

Bonder considera que a “declaração de Netanyahu de que não haverá Estado palestino sob sua liderança foi um ato inadmissível”. “A questão palestina não é só uma questão dos palestinos.

É uma questão israelense, interna de Israel. Não diz respeito apenas ao conflito e à paz, mas é uma questão essencial à sua própria democracia, já que a ocupação significa dois tipos de cidadania”, diz ele.

Comentando sobre políticos e estadistas e os valores judaicos, ressalta: “O maior momento do estadista-profeta Moisés não foi a retirada do seu povo do exílio, mas o episódio em que seu povo dançava diante de um bezerro de ouro, gerando furor divino. É dito que Moisés conteve a fúria ao absorver para si a energia que iria se manifestar sob forma de destruição. Ele a conteve até que pudesse descarregá-la ao quebrar as Tábuas da Lei. Moisés atira ao solo o maior objeto de veneração e, ao despedaçar o sagrado, reverte todos à sanidade.

Sobre o futuro e paz: “… até que Jerusalém não seja o símbolo nem de vitória nem de derrota, mas um lugar de paz, até então se esperará não pelo político, mas pelo estadista. Pelos profetas dos dois lados que enxerguem o futuro pelo foco do projeto e da esperança e não apenas do medo”, conclui Bonder.

www.oglobo.com.br

 

 

Veja também

31 de março – Dia de Lembrança da Inquisição

Você sabe o que foi a “Santa Inquisição”? Iniciada na Espanha em 1478, tinha como …