Foi assassinada, no Rio de Janeiro, mais uma cidadã ….

Esta noticia, é, infelizmente, uma rotina no dia a dia do Rio de Janeiro, assim como em outras cidades de nosso Brasil.

Temos assistido, com continua indignação e medo, o continuo avanço dos nossos chamados crimes resultantes de violências sociais, que afetam cidadãos e cidadãs de todas as idades e origens.

No entanto, o acontecido no dia 14 de março reveste-se de uma situação singular. Pois, foi assassinada, de forma premeditada, uma cidadã que exercia o seu direito de defender outros cidadãos, uma cidadã que obteve e mantinha-se leal ao legitimo mandato a ela outorgado por cerca de 46 mil votos.

Ela, a Vereadora Marielle Franco, tinha, assim como cada cidadão de um país democrático tem e deve exercer, a determinação incansável de defender ideais, promover a integração social e chamar constantemente a atenção das autoridades e da sociedade de nosso país, dos comportamentos inquietantes de alguns ao tentarem impor as suas verdades.

Os acontecimentos que vem se seguindo ao evento nos leva a um patamar de preocupações que deve chamar a atenção de todos. Os cidadãos e cidadãs de nosso país demonstram a existência de profundas diferenças de concepções sociais. Permitindo-se, inclusive a receber e divulgar noticias e mensagens não adequadamente comprovadas. Estamos todos diante de um momento que pede união e ação conjunta de todos que acreditam na importância da democracia e seu pluralismo.

Não importa, neste caso, o partido ou a linha política que a Vereadora Marielle Franco aderiu em sua trajetória. Importa sim, nos resignarmos e insistir para que as autoridades legalmente estabelecidas tomem todas as medidas cabíveis para identificar os criminosos, os seus mandantes e os reais motivos que levam a matar uma cidadã, apenas, aparentemente, porque ela tinha a coragem de expor o cenário com que se preocupava. Se ela estivesse exagerando ou promovendo narrativas que negassem a verdade dos fatos, cabe a quem discorde, apresentar os elementos e fatos que venham a esclarecer a todos e de forma democrática e transparente os acontecimentos.

Não se pode calar uma VOZ que tem reais motivos para se expressar. Em nada adiantará, pois os ideais mantem-se presentes à medida que são acompanhados da realidade.

B’nai B’rith – filhos da Aliança – mais antiga entidade judaica internacional, ativa e promotora dos Direitos Humanos, em nosso país desde 1932, reforça o seu pedido que o ocorrido com a Vereadora Marielle Franco seja apurado de forma transparente, justa e democrática, para a sua família, para os seus amigos, para todos os nossos cidadãos e nossa instituição de País democrático.

Abraham Goldstein
Presidente Nacional

Veja também

Revista ISTOÉ pratica discurso de ódio

É com total indignação que nos deparamos hoje com a matéria de capa da revista …