Época de tristes recordações

17 de Tamuz a 09 de Av – Tisha b’Av-  04 a 25 de julho de 2015

“E ergueu toda a congregação a sua voz; e chorou o povo naquela noite:”: Números X1V-1

Tem início em 4 de julho, três Semanas de luto no calendário judaico. Época de lamentação e abstinência pelos trágicos acontecimentos, a começar pela destruição dos dois Templos Sagrados, e muito mais…

Sim, nós judeus valorizamos os nosso passado. Somente dessa maneira estaremos sempre prevenidos para as tragédias que se abatem sobre nosso povo. Assim foi a quando da dispersão pelo mundo e até os dias de hoje da grande maioria de nosso povo na Diáspora. Reabilitada apenas com a existência do moderno Estado de Israel.

Os fatos que se deram nestas três semanas são infindáveis. Em 586 AEC, o primeiro Templo, construído pelo rei Salomão foi destruído pelos babilônios, comandados por Nabucodonosor e nosso povo exilado. Reconstruído, o II Templo, foi destruído, também em 9 de Av, em 70 EC, pelos romanos e novamente o nosso povo foi exilado. Assim perdemos nossos Santuários, que não mais foram erguidos. No ano 135 EC, se deu a conquista da fortaleza de Betar, com a derrota de Bar Kochba, último bastião de resistência judaica contra os romanos.

Há mais: No final do século XII os nossos livros foram queimados na França. Em 2 de Agosto de 1492, os judeus foram expulsos da Espanha pela Inquisição. A data do início da Primeira Guerra Mundial. Lembramos a luta no Holocausto ou Shoah, à queda dos bravos na resistência no Gueto de Varsóvia. Quantos mortos e humilhações, tudo acontecendo no mesmo período.

Mas, vamos aos nossos dias, novamente o Antissemitismo e Anti-Israelismo reencontra ecos pelo mundo, nem bem passados 70 anos dos tristes episódios do Holocausto.

Porém, hoje temos um Israel democrático, preocupado pelos direitos humanos, uma ilha de alegria no meio de tantas barbaridades no Oriente Médio. O que surpreende mais uma vez é o silêncio do mundo nestas lutas entre sunitas e xiitas.

Minhas recomendações: leiam o livro de Maria Luiza Tucci Carneiro “Os dez mitos sobre os Judeus” e se darão conta de que nem os movimentos do BDS (-Boicote, Desenvestimento, Sanções) numa alegada defensiva dos palestinos, deveriam encontrar eco. Pois no fundo desejam a destruição de Israel. Vejam, Israel fornece apoio e dinheiro aos árabes da Palestina, água e luz, alimentos e subsídios fazem parte de apoio à população de Gaza e Cisjordânia e o que colhe? Difamação e protestos pelo mundo.

Devemos ser fortes e cada judeu deve ser responsável pelo outro, não ficar de braços cruzados vendo os acontecimentos. Se envolver na defesa desta causa justa.

Lembremo-nos dos tristes momentos de nossa história, continuemos firmes na convicção de nossos valores conforme os Dez Mandamentos, mantenhamos nosso apoio ao Estado de Israel e sua constante contribuição pelo bem estar de todos.

Em Shalom

Ernesto Strauss- Diretor Cultural da B’nai B’rith Brasil

Veja também

Encontro Literário com Jonas Rabinovitch na B’nai B’rith

No domingo passado, a B’nai B’rith promoveu uma conversa literária com o arquiteto e urbanista …