Após alarmante pesquisa sobre Antissemitismo, B’nai B’rith apela à ação dos Estados-Membros da União Europeia

A B’nai B’rith Internacional está alarmada com os resultados de uma pesquisa que rastreia o antissemitismo, divulgada segunda-feira pela Agência dos Direitos Fundamentais da União Europeia (FRA). A pesquisa, que cobriu os 13 estados membros com 95% dos judeus europeus, mostrou que 85% deles acreditam que o antissemitismo era o maior problema social ou político em sua sociedade. Outros 38% disseram que consideraram emigrar. Enquanto 30% disseram que foram perseguidos, 79% dos que sofreram incidentes antissemitas mais sérios nos últimos cinco anos afirmaram não ter efetuado denuncia à polícia, por considerar que seria inútil.

Infelizmente, não estamos chocados com os resultados desta pesquisa. Apenas no ano passado, os judeus europeus sofreram vários ataques antissemitas. Na França, onde 95% dos judeus disseram que o antissemitismo era um problema bastante ou muito grande, um garoto de 8 anos foi atacado na rua por usar um yarmulke e um idoso sobrevivente do Holocausto foi assassinado no que foi considerado antissemitismo. Crime de ódio semita. Na Alemanha, um cidadão israelense de ascendência árabe usando um yarmulke foi espancado com um cinto por um estranho pelo “crime” de parecer visivelmente judeu. No Reino Unido, em 2017, uma vítima judia diferente foi alvo de uma média de quatro vezes por dia.

Veja também

Mais um evento confirmado. Participe!

Vem aí mais um encontro virtual. Desta vez o tema será Holocausto em Memória. A …

Skip to content