96º Aniversário da Conferência de SAN REMO

Concessão do direito sob a lei internacional para os judeus se estabelecerem em qualquer lugar na Palestina ocidental – na área entre o Rio Jordão e o Mar Mediterrâneo – Eli E. Hertz, Abril
Em 24-25 de Abril de 2010, a Coligação Europeia para Israel promoveu uma série de seminários educacionais, ministrados por Eli Hertz, dos Estados Unidos, e Solomon Benzimra (zl) do Canadá. Ele foi seguido por uma cerimônia realizada em San Remo, na mesma casa (Villa Devanche) onde ocorreu a assinatura da Declaração de San Remo, em 1920.

O evento atraiu políticos, bem como ativistas populares da Europa, EUA e Canadá. Membros do Knesset (Parlamento israelense), tendo Danny Danon como orador adjunto.
Ao final da comemoração, foi divulgada a seguinte declaração:

“Reafirmando a importância da Resolução de San Remo, de 25 de abril, de 1920 – que incluía a Declaração Balfour na elaboração do mapa do Oriente Médio moderno, conforme acordado com o Conselho Supremo das Principais Forças Aliadas (Grã-Bretanha, França, Itália, Japão, atuando os Estados Unidos como observador) e mais tarde, aprovado por unanimidade pela Liga das Nações; a resolução é irrevogável, obrigatória juridicamente e válida até hoje.

“Enfatizando que a Resolução de San Remo de 1920 reconheceu o exclusivo direito nacional dos judeus à Terra de Israel no âmbito da lei internacional, diante da força da conexão histórica do povo judeu com o território anteriormente conhecido como Palestina.

“Lembrando que tal evento seminal como a Conferência de San Remo de 1920 tem sido esquecida ou ignorada pela Comunidade das Nações, e que os direitos que ela confere ao povo judeu tem sido destituídos ilegalmente, cerceados e negados.

“Afirmando que uma paz justa e duradoura, levando à aceitação de fronteiras seguras e reconhecidas entre todos os Estados da região, só pode ser alcançada só pode ser alcançada pelo reconhecimento dos direitos do povo judeu há muito estabelecidos pela lei internacional.

O resultado da declaração deu origem ao “Mandato da Palestina”, um documento histórico da Liga das Nações o que prevê o direito legal judaico para acertar em qualquer lugar na Palestina ocidental, uma área de 10.000 milhas-quadradas entre o Rio Jordão e o Mar Mediterrâneo.

Cinquenta e um países membros – a íntegra da Liga das Nações – por unanimidade declarou em 24 de julho de 1922:

“Considerando que foi dado o reconhecimento da conexão histórica do Povo Judeu com a Palestina e as sementes para reconstituir seu lar nacional nesse país.”

Os judeus estão na terra de Israel por pleno direito e não em sofrimento.

É importante salientar que o direito político à autodeterminação como uma política para os árabes, era garantido pela mesma Liga das Nações em quatro outros mandatos – no Líbano e na Síria [o Mandato Francês], Iraque e mais tarde Trans-Jordânia [o Mandato Britânico].

Qualquer tentativa de negar o direito do povo judeu à Palestina-Eretz-Israel, e negar-lhe acesso e controle sobre a área designada para o povo judeu pela Liga das Nações é uma grave violação da lei internacional.

A Coligação Europeia para Israel foi fundada em Bruxelas em 2003. É a única organização não judaica de ativistas europeus com escritório de ligação em Bruxelas, organização com um gabinete de ligação-EU em Bruxelas e com os parceiros na maioria dos Estados-Membros da União Europeia. Seu principal objetivo é promover relações positivas entre a Europa e Israel, para lembrar o Holocausto e lutar contra o antissemitismo.

Veja mais em www.mythsandfacts.org

Veja também

Bate-papo com o escritor Fernando Dourado sobre seu livro “O Halo Âmbar”.

Ontem, 06/06, quinta-feira, aconteceu bate-papo com o escritor Fernando Dourado sobre seu livro “O Halo …