Nova definição de antissemitismo é aprovada por 31 países

Ativistas de Direitos Humanos de diversos países aplaudiram a nova definição de antissemitismo adotada em Bucareste na semana passada.

Os 31 países que aprovaram a nova definição de antissemitismo são em sua maioria europeus, com duas exceções.

Veja a relação completa:

Argentina, Áustria, Bélgica, Canada, Croácia, Republica Tcheca, Dinamarca, Estônia, Finlândia, França, Alemanha, Grécia, Hungria, Irlanda, Israel (este não deveria contar), Itália, Latvia, Lituânia, Luxemburgo, Holanda, Noruega, Polônia, Romênia, Sérvia, Eslováquia, Eslovênia, Espanha, Suécia, Suíça, Inglaterra e Estados Unidos.

Este é um grande passo para combater o ressurgimento do antissemitismo segundo os dirigentes presentes à Sessão Plenária da IHRA – International

Holocausto Remenbrance Alliance.

De acordo com a definição da IHRA:
“O antissemitismo é certa percepção dos judeus, que pode ser expressa como ódio em relação aos judeus. A retórica e a manifestação física do antissemitismo são dirigidas a indivíduos judeus ou não judeus e/ou suas propriedades, instituições comunitárias judaicas e instalações religiosas”.

De particular importância a apresentação de “exemplos contemporâneos” do antissemitismo moderno, incluindo referências especifica a Israel. Um exemplo simples é:

O Estado de Israel é concebido como uma coletividade judaica e pode ser objeto de manifestações. No entanto, se a crítica a Israel for semelhante à efetuada contra qualquer outro, país não pode ser considerado como antissemita.

“Acusar os judeus como povo, ou Israel como estado, de inventar ou exagerar o Holocausto.

Acusar os cidadãos judeus de serem mais leais a Israel, ou as supostas prioridades do judaísmo mundial, do que aos interesses de suas próprias nações.

Negar ao povo judeu o direito à autodeterminação, por exemplo, ao afirmar que a existência do Estado de Israel é um empreendimento racista.

Aplicar um duplo critério, exigindo dele um comportamento não esperado ou exigido de qualquer outra nação democrática.

Usar os símbolos e imagens associadas ao antissemitismo clássico (por exemplo, de que os judeus mataram Jesus ou libelo de sangue) para caracterizar Israel ou os israelenses.

Fazer comparações da política contemporânea israelense com a dos nazistas”.

(The Algemeiner)

Veja também

B’nai B’rith Internacional celebra 175 anos

O CEO Dan Mariaschin falou sobre “Discurso de Ódio, Antissemitismo e Pluralismo Religioso”. em um …