B’nai B’rith exorta o governo polonês por legislação sobre cumplicidade no Holocausto

O presidente internacional da B’nai B’rith, Gary Saltzman, e o CEO Dan Mariaschin, emitiram a seguinte declaração:

Ao discutir a história da Polônia durante a Segunda Guerra Mundial, B’nai B’rith Internacional sempre desestimulou fortemente o uso de frases imprecisas e profundamente problemáticas como “campos de morte poloneses” para descrever campos de concentração construídos e operados pelos nazistas em solo polonês. Entendemos que a Polônia foi invadida e ocupada pela Alemanha e que o povo polonês sofreu perdas terríveis.

No entanto, o projeto de lei aprovado pelo Senado polonês em uma votação de 57-23 representa uma abordagem errada. Acreditamos que terá um efeito negativo para o exame do papel da Polônia na guerra. A lei criminalizaria não apenas a frase “campo da morte polonês”, mas qualquer sugestão de cumplicidade polaca no Holocausto.

É vital que todos os países enfrentem os episódios mais dolorosos e vexatórios em seu passado de forma aberta e honesta. Para a Polônia, isso significa reconhecer uma história de antissemitismo que precedeu o Holocausto e persistiu até hoje. Isso também significa reconhecer que alguns polacos prestaram assistência aos alemães e alguns participaram de massacres não orquestrados pelos nazistas.

Instamos o governo polonês a reverter esta lei mal concebida em favor de políticas que promovam a liberdade de expressão e inquérito sobre este capítulo sombrio do passado do país. A abertura e a educação são as chaves para estabelecer um registro histórico baseado na verdade ao invés de imprecisões dolorosas.

Veja também

Ciganos usam centro contra preconceito

“Quando eu era uma criança vendendo cartões-postais a turistas, não pensava que escreveria um livro. …