Mensagem do presidente de Israel Reuven (Ruvi) Rivlin para os judeus da Diáspora

Irmãos e Irmãs,

Líderes das comunidades judaicas da diáspora e seus amigos.

De acordo com a tradição Judaica, o Rosh HaShana representa um tempo para um exame de consciência pessoal, comunitário e nacional. Na sombra dos acontecimentos dos últimos meses, em Israel, esses dias de reflexão são reafirmados e assumem um significado especial.

Com o sequestro e assassinato de quatro adolescentes: Naftali, Gilad, Eyal e Muhammad; e a campanha em curso no sul de Israel ao fundo, os cidadãos de Israel e seus líderes foram confrontados com difíceis dilemas: a responsabilidade de defender as nossas casas e terras, juntamente com a preocupação de não causar danos a pessoas inocentes; o compromisso de permitir um diálogo democrático livre, contra a necessidade de estabelecer limites claros para conter manifestações inflamadas e que levem ao incitamento. Israel teve que responder às ameaças externas de organizações terroristas, mantendo a sua imagem e os valores de um Estado judeu e democrático, que está comprometido com o direito internacional e dedica-se a garantir a todos os seus cidadãos, árabes e judeus, igualdade e dignidade.

A resiliência de Israel não se baseia em sua força militar, mas emana dos valores liberais, democráticos e judaicos em que foi fundado. Mesmo em uma época em que é necessário que Israel mobilize a sua frente militar, não pode ignorar a sua população civil e a violenta onda de manifestações políticas e o incitamento ao ódio em suas ruas.

A liderança e a sociedade de Israel são julgadas não apenas por sua resistência militar, mas também por sua resistência civil, não apenas em épocas normais, mas também em tempos de crise.

No decorrer da Operação Borda de Proteção, senti que Israel não estava sozinho na arena. Líderes do mundo livre e muitos dos membros dos diversos movimentos e comunidades judaicas ficaram lado a lado com Israel, apoiando o seu dever de defender seus cidadãos e identificando-se com os seus esforços para restabelecer a paz às comunidades do sul de Israel.

No limiar do Ano Novo, eu quero agradecer a vocês, líderes e membros das comunidades judaicas, pelo seu apoio aos soldados de Israel e sua população e, especialmente, às comunidades do sul. Espero continuar contando com seu apoio diante dos desafios futuros que aguardam o povo judeu em Israel e na Diáspora, gerados por um sentido de responsabilidade mútua e parceria.

Caros Amigos,

O próximo ano é marcado pela tradição judaica como um ano Shmita, um ano sabático para a terra e o homem. A observância do Shmita serve para abrandar a corrida econômica e o utilitarismo, e ver no outro um ser humano. Rezo para que este ano as portas dos nossos corações se abram para a compaixão, a generosidade e a responsabilidade mútua. Que o próximo ano traga o som da alegria, uma sinfonia de diversas vozes judaicas, que irá nos unir como uma família, uma comunidade e pessoas.

כתיבה וחתימה טובה!

Shaná Tová Ve’Metuka,

Mensagem do presidente de Israel Reuven (Ruvi) Rivlin para os judeus da Diáspora

Reuven (Ruvi) Rivlin
Presidente de Israel

Veja também

Dia 02 de maio, acontece mais um encontro através do Canal do YouTube da B’nai B’rith.

Domingo, dia 02 de maio às 17h, acontece mais um encontro através do Canal do …

Deixe uma resposta

Skip to content