Presidente do CRIF envia carta à Audrey Azoulay, após sua eleição como chefe da UNESCO

PARIS – Na sua carta, Francis Kalifat, presidente do Crif – Conselho Representativo das Instituições Judaicas da França – felicitou a judia Audrey Azoulay pela sua eleição. Ele também chamou a atenção para as recentes posições da Unesco sobre Jerusalém e comentou as relações passadas da organização com o Crif.


Extraído da carta dirigida a Audrey Azoulay:

[…] Em várias ocasiões, fomos levados a condenar resoluções aprovadas pelo Comitê Executivo da Unesco, desafiando e negando a história judaica de Jerusalém, provocando a indignação de judeus e cristãos em conjunto.
Na verdade, Jerusalém, a Caverna dos Patriarcas em Hebron e a Tumba de Raquel, em Belém, tem a sua ligação histórica com o judaísmo e o cristianismo, muito antes do nascimento do Islã, e negar esta realidade é um insulto insuportável para os crentes dessas religiões e ofende a verdade histórica.

Nos últimos anos, e sob pressão do grupo árabe, a Unesco abandonou sua vocação original para se tornar um verdadeiro tribunal anti-Israel. Você terá a difícil tarefa de repor a instituição em sua missão fundamental de cultura e educação.

Sua tarefa não será fácil, mas sabemos que sua história pessoal, experiência na administração pública e no Ministério da Cultura irão prepará-la para realizá-lo. […]

 

Negacionismo e antissemitismo na UNESCO

Os temas palestinos, Israel e antissemitismo são vespeiros que muitos evitam. Mas a eleição da nova direção da UNESCO e a decisão do presidente americano Trump de sair dessa organização da ONU e cortar suas contribuições, que cobrem cerca de 20% do orçamento, não podem ser ignoradas. Mesmo porque outro órgão, o Conselho de Direitos Humanos provoca constantes discussões por conter países que não são exemplo em matéria de direitos humanos. Nosso convidado é um conhecido jornalista, Milton Blay, ex-chefe de redação do Serviço Brasileiro da Rádio França Internacional e correspondente da TV Bandeirantes.

 

Veja também

Noite de Cristais – 81 anos depois

Como sobrevivente do Holocausto, não posso deixar de lembrar esta triste data que marcou o …