Comunidade judaica paulista lembra Iom Hashoá

A Federação Israelita do Estado de São Paulo, A Hebraica e o Conselho Juvenil Sionista, com apoio da Sherit Hapleitá do Brasil, realizaram neste domingo, 1o de maio, no clube A Hebraica, o Ato de Iom Hashoá, em memória aos seis milhões de judeus assassinados durante o Holocausto e que teve como principal enfoque a responsabilidade dos jovens de perpetuarem este trágico episódio da história. Com a presença marcante dos jovens, o ato homenageou a família de Ben Abraham, falecido em 2015, e teve a exibição de um documentário mostrando o envolvimento da juventude judaica com o tema do Holocausto, destacando encontros com atores, escritores e sobreviventes, além das atividades nas escolas judaicas e movimentos juvenis. Avi Gelberg, presidente da Hebraica, Bruno Laskowsky, presidente da Federação Israelita do Estado de São Paulo, representantes do Conselho Juvenil Sionista e as sobreviventes Nanette Konig e Miriam Necrycz destacaram a importância da educação e o papel dos jovens para que seja perpetuada a memória do Holocausto. O evento teve o acendimento de seis velas por sobreviventes do Holocausto, autoridades e lideranças judaicas e contou com performances da juventude da Hebraica e dos movimentos juvenis e orações conduzidas pelos rabinos Ruben Sternschein e Yonatan Szewkis, que entoaram o Kadish e o El Male Rahamim. “Em poucas décadas não haverá nenhum sobrevivente vivo para contar o que aconteceu. Temos que educar as futuras gerações e estarmos sempre alertas. A vigilância eterna é o preço da nossa liberdade”, destacou Nanette Konig. “ Nós, os sobreviventes, testemunhamos atos terríveis, mas nos reerguemos e continuamos a manter nossas tradições e a vida judaica. Depois de um sonho de dois mil anos, levantamos nossa Mediná, o Estado de Israel, Am Israel Chai, o povo de Israel vive”, complementou Miriam Necrycz. Iom Hashoá é o dia do Holocausto e o Heroísmo, quando se honra a memória dos seis milhões de judeus assassinados pelos nazistas durante a Segunda Guerra. Neste dia, em Israel, as sirenes de alarme soam e guardam-se dois minutos de silêncio, sob o lema de “lembrar e recordar – jamais esquecer”. (Conib)

Veja também

Nós, da B´nai B´rith repudiamos de forma enérgica e veemente outra declaração tendenciosa, antissemita, racista e fomentadora do ódio proferida na África, pelo presidente Lula.

Nós, da B´nai B´rith – Filhos da Aliança, com 90 anos no Brasil e 180 …