“Caso Amia está tão morto quanto o procurador”

“Enquanto não houver uma renovação da Justiça argentina, o processo sobre o atentado contra a Associação Mutual Israelita-Argentina (AMIA), em 1994, não deverá se concluir”. A avaliação é do rabino argentino Sergio Bergman, ministro do Meio Ambiente do governo Maurício Macri. Bergman diz, em entrevista ao Estado, acreditar que o promotor Alberto Nisman foi assassinado após coletar provas que esclareceriam os fatos relacionados ao ataque. Amigo do papa Francisco, Bergman cita a encíclica papal Laudato Si como a principal inspiração para seu trabalho à frente do ministério. Ele estará em São Paulo a partir de amanhã para o 5.º encontro da World Union for Progressive Judaism na América Latina.
Fonte: internacional.estadao.com.br

Veja também

Encontro da B’nai B’rith, no Zena Cucina, para a Confraternização de Purin

Aconteceu na noite da última quinta-feira (21), o encontro da B’nai B’rith para a Confraternização …