EDUCAÇÃO PARA A PAZ

image_pdfimage_print

EDUCAÇÃO PARA A PAZ
A preocupação que os impactos de políticas segregacionistas, endossadas por governos racistas, possam ameaçar a democracia e a liberdade física, psíquica e econômica de um individuo, de sua comunidade ou grupo etnico-religioso, foi o que levou a BB a criar um programa educativo de largo alcance.

Já em seus primeiros anos na década de 1930, a BB ajudou imigrantes que escolheram o Brasil como um país seguro e próspero. Teve um papel importante no combate ao antissemitismo e não esmoreceu em sua atuação mesmo quando foi fechada pelo governo de Getúlio Vargas.

Agiu sempre nas ações de salvar vidas, buscando preservar os direitos individuais e coletivos, além do respeito aos princípios éticos e morais.

1 - XVIII Jornada Interdisciplinar: “Intolerância e Holocausto: como estudar e ensinar em sala de aula”, II Jornada Estadual, 04/06/2011, Rio de Janeiro , RJ 2 - IV Jornada Interdisciplinar sobre o Ensino do Holocausto: “A Arte de Ensinar e Lembrar a História do Holocausto”, 25/08/2007, São Paulo, SP
3 - II Jornada Interdisciplinar sobre o Ensino do Holocausto: “Holocausto nunca mais?”, Entrega de certificados na Secretaria Municipal de Educação, 12/08/2006, São Paulo, SP 4 - II Jornada Interdisciplinar sobre o Ensino do Holocausto: “Holocausto nunca mais?”, 12/08/2006, São Paulo, SP

1 – XVIII Jornada Interdisciplinar: “Intolerância e Holocausto: como estudar e ensinar em sala de aula”, II Jornada Estadual, 04/06/2011, Rio de Janeiro , RJ
2 – IV Jornada Interdisciplinar sobre o Ensino do Holocausto: “A Arte de Ensinar e Lembrar a História do Holocausto”, 25/08/2007, São Paulo, SP
3 – II Jornada Interdisciplinar sobre o Ensino do Holocausto: “Holocausto nunca mais?”, Entrega de certificados na Secretaria Municipal de Educação, 12/08/2006, São Paulo, SP
4 – II Jornada Interdisciplinar sobre o Ensino do Holocausto: “Holocausto nunca mais?”, 12/08/2006, São Paulo, SP

 

Direito Humano é um Direito Constitucional
O direito a ser preservado e respeitado também inspiraram lideranças da BB a participar da elaboração da lei Afonso Arinos, em 1951 promulgada por Getúlio Vargas, que proíbe a discriminação racial no Brasil. É o primeiro código brasileiro a incluir entre as contravenções penais a prática de atos resultantes de preconceito de raça e cor da pele.
Em 1988, a BB também contribuiu junto à redação da nova Constituição do Brasil, em especial no capítulo dos Direitos Civis.

 

Contra a Intolerância e o Racismo, e em lembrança das vítimas da II Guerra e aos nossos Pracinhas heróis ao combater os nazistas na Itália
Todo mês de maio, com o apoio da Câmara dos Vereadores de São Paulo, sob a coordenação do Vereador Gilberto Natalini, a B’nai B’rith vinha realizando uma sessão solene em homenagem aos pracinhas de nossas forças armadas, sempre presentes e representadas pelo Exército, Marinha e Aeronáutica e às vitimas do Holocausto na presença de vários sobreviventes que vivem em São Paulo, capitaneados pela Sherit Hapleitá na pessoa do Sr. Ben Abraham.

Em 2005, surgiu a idéia de organizarmos um concurso de redações sobre o Holocausto. No entanto, percebemos que a dificuldade estava na formação e conhecimento dos educadores sobre o tema. Com a aprovação da Câmara e ação da Prefeitura de São Paulo, tivemos, em 2006, o primeiro encontro para alguns educadores e palestras proferidas pela Dra. Edda Bergmann, Presidente da B’nai B’rith na ocasião e o Sr. Ben Abraham.


Jornadas Interdisciplinares
EEm 2008, retomamos a iniciativa em São Paulo, sob o nome: O ENSINO DA HISTÓRIA DO HOLOCAUSTO EM DEFESA DA DEMOCRACIA E CIDADANIA.

Este projeto foi concebido em parceria com o LEER (Laboratório de Estudos sobre Etnidade, Racismo e Discriminação), dirigido pela Profa. Dra. Maria Luiza Tucci Carneiro e com o apoio do LEI (Laboratório de Estudos sobre Intolerância), presidido pela Profa Dra Anita Novinsky. Ambos os Laboratórios faziam parte do Departamento de História da FFLCH-USP.

Esta iniciativa, foi aplicada, também, no Rio de Janeiro, com o envolvimento das Profas. Helena Lewin e Silvia Lerner, onde, até hoje realizamos a Jornada, sob a coordenação da Dra. Denise Tredler e equipe. Seguiu, também, para Porto Alegre e Curitiba, locais onde a B’nai B’rith tem presença estruturada.

As Jornadas chegaram a mobilizar mais de 1000 educadores, atuando nas cidades de São Paulo, Rio de Janeiro, Porto Alegre e Curitiba. Também, em Brasilia, realizamos uma das Jornadas.

Sempre em convênio com as Secretarias Municipais de Educação destas cidades. Além da parceria com a USP e amplo apoio da Sherit Hapleitá – Brasil (Associação dos Sobreviventes do Nazismo).

Além das Jornadas, foram realizados: Colóquios, Seminários e Cursos sobre Racismo e Antissemitismo; Fórum de Estudos sobre Genocídio e Crimes contra a Humanidade; Concursos de Redação; Peças teatrais como o Monólogo de Anne Frank: Mergulho, dirigida por Leslie Marko. Tudo sempre em parceria com as escolas municipais de São Paulo.

Em 2013, a Jornada em SP reuniu mais de 1200 educadores no Memorial da America Latina. Com a presença e participação, entre outros, do Itamaraty e da Diretora da ONU para a realização da agenda da Lembrança das Vítimas do Holocausto, mundialmente, todo dia 27 de Janeiro, a Dra. Kimberly Mann.

5 - XXV Jornada Interdisciplinar sobre o ensino do Holocausto: “Holocausto: direito à verdade - direito à memória”, 27/07/2013, São Paulo, SP. Fotógrafo não identificado. Base de Dados- B’nai B’rith Brasil - Legado. 6 - Participantes da II Jornada Interdisciplinar sobre o Ensino da História e da Memória do Holocausto: “Lições da Shoah: um legado para a humanidade”, no salão de festas da UFRGS - Porto Alegre. Fotógrafo não identificado. Base de Dados- B’nai B’rith Brasil - Legado.
7 - Da esquerda para a direita: Na primeira fileira, Profa. Dra. Helena Lewin. Na segunda fileira, Prof. Dr. Sedi Hirano, sociólogo e Emérito da FFLCH-USP (segundo na foto) e Abraham Goldstein, presidente da B’nai B’rith - Brasil, distrito 25 (quarto na foto), durante a IV Jornada Interdisciplinar sobre o Ensino do Holocausto: “A Arte de Ensinar e Lembrar a História do Holocausto”. São Paulo, 25 de agosto de 2007. Fotógrafo não identificado. Base de Dados- B’nai B’rith Brasil - Legado. 8 - Da esquerda para direita: Na Primeira fileira, Profa. Dra. Helena Lewin; à mesa, o professor Wagner Pereira; e na última cadeira Jayme Gudel, presidente da Loja Herut - Rio de Janeiro, durante a VIII Jornada Interdisciplinar sobre o ensino do Holocausto: “Holocausto, crime contra a Humanidade”. Rio de Janeiro, 09/09/2009. Fotógrafo não identificado. Base de Dados- B’nai B’rith Brasil - Legado.

5 – XXV Jornada Interdisciplinar sobre o ensino do Holocausto: “Holocausto: direito à verdade – direito à memória”, 27/07/2013, São Paulo, SP. Fotógrafo não identificado. Base de Dados- B’nai B’rith Brasil – Legado.
6 – Participantes da II Jornada Interdisciplinar sobre o Ensino da História e da Memória do Holocausto: “Lições da Shoah: um legado para a humanidade”, no salão de festas da UFRGS – Porto Alegre. Fotógrafo não identificado. Base de Dados- B’nai B’rith Brasil – Legado.
7 – Da esquerda para a direita: Na primeira fileira, Profa. Dra. Helena Lewin. Na segunda fileira, Prof. Dr. Sedi Hirano, sociólogo e Emérito da FFLCH-USP (segundo na foto) e Abraham Goldstein, presidente da B’nai B’rith – Brasil, distrito 25 (quarto na foto), durante a IV Jornada Interdisciplinar sobre o Ensino do Holocausto: “A Arte de Ensinar e Lembrar a História do Holocausto”. São Paulo, 25 de agosto de 2007. Fotógrafo não identificado. Base de Dados- B’nai B’rith Brasil – Legado.
8 – Da esquerda para direita: Na Primeira fileira, Profa. Dra. Helena Lewin; à mesa, o professor Wagner Pereira; e na última cadeira Jayme Gudel, presidente da Loja Herut – Rio de Janeiro, durante a VIII Jornada Interdisciplinar sobre o ensino do Holocausto: “Holocausto, crime contra a Humanidade”. Rio de Janeiro, 09/09/2009. Fotógrafo não identificado. Base de Dados- B’nai B’rith Brasil – Legado.


Contra o esquecimento

Em 2008, as lojas de Porto Alegre, RS, Barão Hirsch e Iehuda Halevi em parceria com o Instituto Cultural Judaico Marc Chagal, realizaram um evento que recebeu cerca de 100.000 visitantes por meio de agendamentos com mais de 100 escolas municipais e estaduais! Este evento contou com as exposições “Anne Frank, Uma História para Hoje”, desenhos e poemas de crianças do campo de concentração de Terezin (Tchecoslováquia) e mostra de fotografias sobre Direitos Humanos. Além das exposições, foram realizadas mesas redondas sobre os temas “Violência e Racismo” e “Preconceito e Exclusão – a banalização do mal na II Guerra Mundial. O mundo aprendeu?”

9 - Comissão organizadora da Exposição Anne Frank: uma história para hoje, inaugurada no dia 09 de abril de 2008, com duração de 10 de abril a 10 de maio de 2008, na Usina do Gasômetro, Porto Alegre. Da esquerda para a direita: Paulete Golbert; Ieda Gutfreind; Elaine Unikowski; Marili Scliar Buchalter; Irene Goldstein; Abraham Goldstein, presidente da B’nai B’rith - Brasil, Distrito 25; Suzete Zylberstjn; Matilde Groisman Gus e Sara Laks Trachtenberg. Fotógrafo não identificado. Cortesia de Ricardo Golbert/RS; Base de Dados - B’nai B’rith Brasil - Legado. 10 - Exposição “Anne Frank: uma História para Hoje”, Usina do gasômetro, com duração de 10 de abril a 10 de maio de 2008, Porto Alegre, RS. Cortesia de Ricardo Golbert/RS. Base de Dados - B’nai B’rith Brasil - Legado

9 – Comissão organizadora da Exposição Anne Frank: uma história para hoje, inaugurada no dia 09 de abril de 2008, com duração de 10 de abril a 10 de maio de 2008, na Usina do Gasômetro, Porto Alegre. Da esquerda para a direita: Paulete Golbert; Ieda Gutfreind; Elaine Unikowski; Marili Scliar Buchalter; Irene Goldstein; Abraham Goldstein, presidente da B’nai B’rith – Brasil, Distrito 25; Suzete Zylberstjn; Matilde Groisman Gus e Sara Laks Trachtenberg. Fotógrafo não identificado. Cortesia de Ricardo Golbert/RS; Base de Dados – B’nai B’rith Brasil – Legado.
10 – Exposição “Anne Frank: uma História para Hoje”, Usina do gasômetro, com duração de 10 de abril a 10 de maio de 2008, Porto Alegre, RS. Cortesia de Ricardo Golbert/RS. Base de Dados – B’nai B’rith Brasil – Legado

 

MERGULHO, um programa para educadores e seus alunos
Em 2016, retomamos, em São Paulo, com o Programa MERGULHO que envolve os educadores e seus alunos, a participarem, questionarem e viverem as questões abordadas pelos três atores da peça de teatro, MERGULHO. Trabalho preparado pelo Dra. Leslie Marco.

Já tivemos a participação de mais de 3000 alunos e professores nos anos de 2016-2018-2019. Com a pandemia pelo COVID-19, o programa teve que ser suspenso. Esperamos retomar em 2023.

Além das Jornadas, foram realizados: Colóquios, Seminários e Cursos sobre Racismo e Antissemitismo; Fórum de Estudos sobre Genocídio e Crimes contra a Humanidade; Concursos de Redação; Peças teatrais como o Monólogo de Anne Frank: Mergulho, dirigida por Leslie Marko. Tudo sempre em parceria com as escolas municipais de São Paulo.

11 - Da esquerda para a direita: Abraham Goldstein, presidente da B’nai B’rith - Brasil, Distrito 25, Leslie Makro, diretora e teatro educadora, (a quinta na foto); Hans Bergmann, presidente da Loja Bandeirantes, (décimo na foto). Entre os presentes, educadores e os alunos da EMEF “Professor Olavo Pezzot”, vencedores do Concurso de Expressão Escrita, pela elaboração de cartas, a partir da apresentação da peça teatral “Mergulho”: Pedro Pinheiro Rodriguez (sexto na foto), ganhador do terceiro lugar, e Jussara Dantas dos Santos (oitava na foto), ganhadora do primeiro lugar, pelo Programa Ensino da História do Holocausto, em Defesa da Democracia e Cidadania. São Paulo, 2016. Fotógrafo não identificado. Base de Dados - B’nai B’rith Brasil - Legado. 12 - Da esquerda para a direita, os atores: Guillermo Alves, Gabriela Oliveira e Leonardo Junior Trovão na apresentação da peça teatral “Mergulho” para alunos do CEU EMEF Casa Blanca e EMEF’s dos arredores, pelo Programa Ensino da História do Holocausto, em Defesa da Democracia e Cidadania. Campo Limpo, São Paulo, 21 de outubro de 2019. Fotógrafo não identificado. Acervo B’nai B’rith - Brasil. Base de Dados - B’nai B’rith Brasil - Legado.
13 - Apresentação da peça teatral “Mergulho” para alunos do CEU EMEF Casa Blanca e EMEF’s dos arredores, pelo Programa Ensino da História do Holocausto, em Defesa da Democracia e Cidadania. No palco, a atriz Gabriela Oliveira. Campo Limpo, São Paulo, 21 de outubro de 2019. Fotógrafo não identificado. Acervo B’nai B’rith - Brasil. Base de Dados - B’nai B’rith Brasil - Legado.

11 – Da esquerda para a direita: Abraham Goldstein, presidente da B’nai B’rith – Brasil, Distrito 25, Leslie Makro, diretora e teatro educadora, (a quinta na foto); Hans Bergmann, presidente da Loja Bandeirantes, (décimo na foto). Entre os presentes, educadores e os alunos da EMEF “Professor Olavo Pezzot”, vencedores do Concurso de Expressão Escrita, pela elaboração de cartas, a partir da apresentação da peça teatral “Mergulho”: Pedro Pinheiro Rodriguez (sexto na foto), ganhador do terceiro lugar, e Jussara Dantas dos Santos (oitava na foto), ganhadora do primeiro lugar, pelo Programa Ensino da História do Holocausto, em Defesa da Democracia e Cidadania. São Paulo, 2016. Fotógrafo não identificado. Base de Dados – B’nai B’rith Brasil – Legado.
12 – Da esquerda para a direita, os atores: Guillermo Alves, Gabriela Oliveira e Leonardo Junior Trovão na apresentação da peça teatral “Mergulho” para alunos do CEU EMEF Casa Blanca e EMEF’s dos arredores, pelo Programa Ensino da História do Holocausto, em Defesa da Democracia e Cidadania. Campo Limpo, São Paulo, 21 de outubro de 2019. Fotógrafo não identificado. Acervo B’nai B’rith – Brasil. Base de Dados – B’nai B’rith Brasil – Legado.
13 – Apresentação da peça teatral “Mergulho” para alunos do CEU EMEF Casa Blanca e EMEF’s dos arredores, pelo Programa Ensino da História do Holocausto, em Defesa da Democracia e Cidadania. No palco, a atriz Gabriela Oliveira. Campo Limpo, São Paulo, 21 de outubro de 2019. Fotógrafo não identificado. Acervo B’nai B’rith – Brasil. Base de Dados – B’nai B’rith Brasil – Legado.

 

Em defesa da democracia e da cidadania
O objetivo destas iniciativas educacionais é de ressaltar a importancia e o valor da diversidade e de nos mantermos sempre atentos a todas as ações, no menor momento, que venham a promover a discriminação e separação entre pessoas, seja pela sua religião, cor ou preferencias politicas ou sociais.

O Holocausto deve se manter um exemplo vivo na mente das pessoas para que nunca mais se repita com mais ninguem.

As Jornadas e o Espetáculo Mergulho são projetos do PROGRAMA EDUCATIVO que se inserem numa das principais metas da BB, o de trabalhar “Em Defesa da Democracia e Cidadania”, garantindo a futuras gerações a liberdade física, econômica e espiritual.

Saiba mais: www.bnai-brith.org.br



Clique aqui para o arquivo original em PDF

Veja também

B´nai B´rith do Brasil repudia desesperadora condição dos índios Yanomâmis

De maneira extremamente triste, preocupante e até revoltante, recebemos a notícia da situação desesperadora dos …