Uma grande perda: Luiz Carlos Fabbri

Uma grande perda: Luiz Carlos Fabbri

Foi com grande tristeza  que recebi a notícia do falecimento de Luiz Carlos Fabbri, pessoa singular, grande amigo e ativista em prol dos direitos humanos. Sua ausência será sempre ausência enquanto pessoa e amigo, mas sua visão de mundo ficará entre nós, por sua universalidade. Aprendi – neste anos em que convivi com Fabbri – a repensar a realidade das minorias étnicas espoliadas pelas políticas intolerantes, entre os quais os ciganos, os indígenas, os negros, os judeus, os palestinos, dentre outros.  Uma de suas bandeiras de luta  era a de discutirmos a dívida histórica do Brasil com a África sob o viés do direito da sociedade brasileira e de sua maioria afrodescendentes. Com sabedoria e conhecimento, trouxe até nós ensinamentos sobre as Comissões da Verdade em outros países, enfatizando o papel da justiça de transição no contexto de países que vivenciaram ditaduras militares, como o Brasil. Com ele aprendi a repensar e (re)avaliar situações de fatos genocidas no mundo contemporâneo.

Fabbri, além de engenheiro, economista e  funcionário aposentado das Nações Unidas, era um ativista em todas as suas dimensões. Homem culto que sabia dialogar e respeitar a diversidade, participando ativamente de comissões dedicadas à construção de uma cultura mais tolerante e justa. Esta sua postura explica sua participação  na Comissão de Justiça e Paz de São Paulo e tantas outras.  Tive o privilégio de contar com o seu envolvimento em vários eventos  realizados pelo LEER- Laboratório de Estudos sobre Etnicidade, Racismo e Discriminação/USP, dentre os quais o Seminário Internacional sobre Ciganos, realizado em novembro de 2003. Para 2015, nos incentivava com ideias e contatos, a planejar o Seminário Internacional sobre Genocídio Indígena. Da mesma forma participou intensamente da Comissão Fundadora do Instituto Shoah de Direitos Humanos da B’nai B’rith, marcando presença em nossas reuniões e jornadas educativas.

Perdemos um amigo, mas ficam seus ideais de justiça, direitos humanos e  lealdade.

Profa. Dra. Maria Luiza Tucci Carneiro

Coordenadora do Arqshoah/LEER

Universidade de São Paulo

Textos de Luiz Carlos Fabbri:
www.cartamaior.com.br
www.teoriaedebate.org.br

Veja também

Nota de repúdio sobre o “Desafio do Holocausto” da Rede Social TikTok

Deixe uma resposta

Skip to content