Professor de esquerda ligado a Israel aborda o antissemitismo nas esquerdas

“Convivo com gente da esquerda há décadas e, tendo uma relação muito forte com Israel e um conhecimento grande sobre a história israelense e judaica, observei muitas vezes comentários bastante infelizes sobre Israel e os judeus, feitos até mesmo por pessoas cultas, por professores universitários”, afirma James Green, em entrevista ao Instituto Brasil-Israel. Ele é professor da Brown University (EUA) e um dos organizadores do Simpósio Internacional sobre o Brasil, evento anual realizado na Universidade Hebraica de Jerusalém, já em sua sexta edição. “Há uma noção de que os judeus são ricos, capitalistas e controlam a economia. Isso é uma maneira indireta de reproduzir ideias super-reacionárias dos séculos 19 e 20! (…) Há também total falta de conhecimento de Israel, sua geografia e história”, constata Green. “Setores da esquerda são antissemitas e repetem estereótipos sobre os judeus e Israel, que não são baseados em fatos reais”, observa. “Pedem o boicote a Israel, mas não, por exemplo, à China, que ocupou o Tibete. São dois pesos e duas medidas. Israel tem que agir de forma diferente do resto do mundo. Isso reproduz a noção de que o judeu é o outro, é o diferente, que não se integra na sociedade”, acrescenta. “Mas os argumentos dos apoiadores do boicote a Israel são frágeis, mal preparados, não se sustentam. O debate aberto favorece nossa posição”, pondera.

Assista à entrevista na íntegra. www.conib.org.br  |  Conib

Veja também

Nota de repúdio sobre o “Desafio do Holocausto” da Rede Social TikTok

Skip to content