Marcharam para pedir que embaixada continue em Jerusalém

Cidadãos de vários setores que formaram o comitê “Todos por Jerusalém” organizaram uma manifestação frente à sede da Chancelaria Nacional do Paraguai para solicitar ao governo de Mario Abdo Benito que mude sua decisão sobre a embaixada de Israel.

O vice-presidente da Convenção Evangélica do Paraguai e coordenador do Comitê “Todos por Jerusalém”, Cristian Vera, comentou em um novo jornal que a iniciativa realizada a noite era uma chamada para o “Governo do presidente Mario Abode retroceder em sua decisão de mudança da Embrapa paraguaia de Jerusalém para Tel Aviv ”.

Ele argumentou que essa medida foi tomada unilateralmente sem um diálogo prévio com o primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu, que não participou de um diálogo com as novas autoridades.

Os cidadãos se reuniram em frente à Chancelaria Nacional, onde, mais tarde, com banners e desfiles fecharam a Rua Palma. Em seguida, eles assinaram uma carta endereçada ao primeiro-ministro Netanyahu em que eles expressam seu repúdio à transferência da sede diplomática por Abdo Benítez.

Ele disse que as manifestações começaram em 5 de setembro com um pedido de coleta de assinaturas para entregar ao atual governo e recuar em sua decisão. A mobilização foi liderada pela Convenção Evangélica do Paraguai e, a partir daí, foram adicionados mais aldeões interessados, o que levou à criação do comitê uma semana depois.

Histórico
Em 21 de maio passado, pouco menos de três meses antes de deixar o cargo, o então presidente Horacio Cartes viajou a Israel para inaugurar pessoalmente, junto com Netanyahu, a mudança da sede diplomática paraguaia que estava em Tel Aviv para Jerusalém, especificamente no Parque Tecnológico Malha.

Esta ação foi descrita por Abdo e seus colaboradores como uma decisão visceral e sem consulta com as autoridades eleitas, por parte do presidente em fim de mandato, então pouco depois de assumir o novo governo, em 5 de setembro, o ministro das Relações Exteriores Luis Castiglioni anunciou a suspensão da transferência da Embaixada do Paraguai de Tel Aviv para Jerusalém.

Como resultado, Netanyahu, no mesmo dia, ordenou a retirada da Embaixada de Israel do Paraguai e, posteriormente, em 26 de setembro, anunciou o cancelamento de projetos de cooperação, o que foi negado pela chancelaria paraguaia.


Manifestantes fecham a Rua Palma, em frente à Chancelaria Nacional do Paraguai. /ABC ColorAMPLIAR

Veja também

Mergulho, peça sobre tolerância e identidade vai até 28/10

Espetáculo sobre tolerância, alteridade e diversidade estreou em outubro. Dirigido a jovens e adultos, a …