Juízes da Suprema Corte criticam o estado na primeira audiência do caso da muro ocidental

Durante a primeira audiência no caso em relação ao local sagrado judaico, o Supremo Tribunal israelense criticou o Estado por congelar de repente o acordo do Muro Ocidental ( Muro das Lamentações) em junho. Enquanto o estado argumenta que o acordo é “complicado”, os juízes parecem descontentes com a decisão do governo.

O Supremo Tribunal israelense começou a discutir na última quinta-feira a petição da organização Women of the Wall contra a suspensão do governo de Israel sobre o acordo referente ao Muro Ocidental ( Muro das Lamentações) em junho. O estado argumenta que o acordo é “complicado”.

Durante a audiência, os juízes, incluindo a presidente da Suprema Corte Miriam Naor, criticaram duramente o Estado de Israel. “Vocês conduziram as negociações, vocês chegaram a um acordo [e depois] durante os processos legais, vocês fazem uma pausa e dizem:” estamos congelando “, disse Naor aos representantes do Estado. “Precisarão explicar por que voltaram atrás quanto ao acordo que foi aprovado”, acrescentou o juiz Hanan Melcer.

Para o nosso entendimento, este acordo não reflete um compromisso legal “, afirmam os advogados do Estado.” Tentamos chegar a um acordo aceitável para todos os lados. Nós chegamos a um acordo complicado, mas há muita sensibilidade lá.” Em resposta, Naor concordou que, durante as negociações, o objetivo declarado era chegar a uma solução acordada e respeitada.” Mas de repente vocês congelaram “, acrescentou.” Depois, além de tudo, há processos legais; Não é só quando e como vocês querem.”

“Durante dois anos, uma equipe sentou e compilou um acordo – não planejamos fazer outro acordo”, esclareceu Naor. “Nós temos questões legais … Estamos perguntando ao Estado: não é apropriado reconsiderar o que está sendo chamado de suspensão do acordo?”

“Havia um acordo, as pessoas trabalhavam nisso, e então o governo veio e, de repente, não existe. Isso levanta questões”, acrescentou. Em resposta, um representante do Estado disse que o acordo só foi suspenso, não cancelado completamente.

Antes da audiência, a presidente da WOW, Anat Hoffman, disse que sua organização pede ao tribunal que ponha fim ao monopólio Haredi sobre o muro ocidental. “A minoria extremista sequestrou o Kotel do público israelense e transformou-o em uma sinagoga Haredi”, afirmou. “Queremos devolver o Kotel a todos os homens e a todas as mulheres”.

Veja também

Mais uma exemplar ação do Projeto Tikun Olam da B’nai B’rith Paraná

Mais uma etapa do Projeto Tikun Olam com os voluntários da Loja Chaim Weizmann da …