Goebbels na política brasileira?

É estarrecedor um membro do governo brasileiro, ainda mais o Secretário Nacional de Cultura Roberto Alvim que, ao anunciar o lançamento de um programa, o Prêmio Nacional das Artes, o fez numa linguagem, ambiente e, também, em termos musicais, semelhantes aos usados por uma das figuras mais nocivas, sórdidas, repugnantes e assassinas da história: o ministro da informação e propaganda nazista, Joseph Goebbles, aquele que dizia que a mentira, repetida inúmeras vezes, tornar-se-ia uma verdade.

Um fato que devemos nos lembrar é que, dois dias depois de Goebbels proferir o discurso (semelhante ao proferido por Alvim, ipsis literis), foi realizada, na Alemanha Nazista, a tenebrosa queima de livros em Berlim, promovendo uma censura a obras e à cultura dos não alinhados.

O pronunciamento ocorreu na noite de quinta-feira (16/1) quando o secretário divulgou, na rede social da Secretaria Especial da Cultural, um vídeo em que fala sobre o Prêmio Nacional das Artes onde deu a entender que promoveria atos de censura em relação a certas obras. Somos totalmente a favor da liberdade, da democracia e da pluralidade de ideias, sempre em respeito e direito de convivência de todos com todos.

Queremos, sim, um povo criativo, educado, culto e feliz.

Como sociedade brasileira, não podemos tolerar e conviver com mensagens deste teor, advindas do primeiro escalão do governo. Urge que o presidente de nosso Brasil, país que inclusive mandou tropas para combater o nazismo, tome as devidas providências, incluindo junto os que suportam e influenciaram o seu nomeado Secretário Roberto Alvim.

Abraham Goldstein
Presidente da B´nai B´rith do Brasil

Veja também

Hoje é o Dia Internacional do Idoso (01/10)

Hoje é o Dia Internacional do Idoso (01/10). Instituída pela Organização das Nações Unidas (ONU) …

Skip to content