Discurso do embaixador de Israel na ONU

Em discurso proferido na Assembleia Geral, em 24 de novembro, o embaixador de Israel para a ONU Ron Prosor disse, entre outros, alguns trechos reproduzidos abaixo:

“De 300 milhões de árabes no Oriente Médio e norte da África, menos de 0,5% são verdadeiramente livres – e eles são todos cidadãos de Israel”.

“Nosso conflito nunca foi sobre a criação de um estado palestino. Sempre foi sobre a existência do Estado judeu”.

“Você não precisa ser católico para visitar o Vaticano, não precisa ser judeu para visitar o muro das Lamentações, mas alguns palestinos gostariam de ver o dia quando só os muçulmanos podem visitar o monte do templo”.

Leia mais em:  www.bnai-brith.org.br

“Estes ataques não emergem de um vácuo. São o resultado de anos de doutrinação e de incitamento”.

“A carta [constitutiva] genocida do Hamas pede a destruição de Israel e o assassinato de judeus em todo o mundo. Durante anos, Hamas e outros grupos terroristas têm enviado suicidas em nossas cidades, lançou foguetes em nossas cidades e terroristas para sequestrar e assassinar os nossos cidadãos”.

“Nas escolas, as crianças estão sendo ensinadas que a ‘Palestina’ irá do Rio Jordão ao mar Mediterrâneo. Nas mesquitas, os líderes religiosos estão espalhando libelos viciosos, acusando os judeus de destruir os locais sagrados muçulmanos. Em estádios, as equipas são nomeadas com nomes de terroristas. E em jornais, desenhos animados instam os palestinos para cometer atentados terroristas contra israelenses”.

“Eu o desafio a fazer algo construtivo para uma mudança. Publicamente denunciar a violência, denunciar o incitamento e denunciar a cultura de ódio”.

“A maioria das pessoas acredita que, em sua essência, o conflito é uma batalha entre judeus e árabes ou israelenses e palestinos”. “Eles estão errados. A batalha que estamos presenciando é entre aqueles que santificam a vida e aqueles que celebram a morte.

Após o ataque selvagem em uma sinagoga de Jerusalém, celebrações eclodiram em aldeias e cidades palestinas. Pessoas dançando na rua e distribuir doces. Jovens posaram com machados, alto falantes em mesquitas ligados para dar os parabéns, e os terroristas foram saudados como mártires e heróis.”

O embaixador finalizou com a pergunta se o Oriente Médio precisa de outro estado teocrático terrorista.

Veja também

B’nai B’rith SP celebra o papel da mulher na busca pelo sagrado e pela paz

B’nai B’rith SP celebra o papel da mulher na busca pelo sagrado e pela paz …