Chanucá: da opressão à LUZ

de 24 de Kislev A 2 de Tevet 5775

São oito dias nos quais acendemos as velinhas nos candelabros de Chanucá-Consagração, uma a mais a cada dia, comemorando a Vitório dos Macabeus sobre o Rei Antioco Epifanes. Os bravos lutadores, Matatiah e seus valentes filhos, liderados por Yehudá o mais velho, refugiados nas montanhas conseguiram vencer os exércitos sírios.

De sua aldeia partiram para libertar Jerusalém e o povo judeu, impedido de exercer sua fé e seus costumes, sendo punido com a morte ao fazê-lo.

Lembramo-nos do milagre da luz Eterna do Templo, quando em 25 de Kislev de 3595, (165 AEC) após ter construído um novo altar para o templo, que fora profanado, descobriram que havia somente um pequeno cântaro de óleo puro, suficiente para um dia, mas, este durou oito dias.

Tanto tempo se passou, mas tais fatos simbolizam a opressão, mais de uma vez presente em nossa história, e a superação de desafios, aparentemente impossíveis, como os exércitos sírios e a luz do Templo. Na verdade, dois milagres, um no plano físico, outro, no espiritual.

Por isso é importante entender a mensagem, e a cada ano, acender as velas, dia a dia.

O grande rabino deste século, Lorde Jonathan Sacks em recente discurso na Câmara dos Lordes, na Inglaterra, definiu-se como Judeu da seguinte maneira: “Eu sou judeu, Israel, portanto, é o lugar onde o meu povo nasceu há muitos séculos, o lugar no qual Abraão e Sara viveram, onde Amós declarou a visão sobre justiça social, e Isaias sonhou com um mundo em paz, onde David compôs os Salmos, e Salomão construiu o primeiro Templo. E isto teve consequências não somente para os judeus, mas também para cristãos e muçulmanos. Os que têm declaradamente Abraão como precursor na fé, e cujo D’s único adotaram como seu”.

“Somente quando o poder é secularizado a paz é possível”, e não com ações planejadas em decorrência do ódio acalentado.

Assim “esperamos que o mundo possa, da escuridão andar pela luz de D’s para a iluminação”.

Neste Chanucá temos um deseja: que o mundo encontre os caminhos da paz e do respeito entre os seres humanos.

Chag Sameach, e ao girar os dreidels (piões), para ver a sorte encontrem a alegria de viver, desfrutando os doces sonhos destes dias.

Em Shalom,

Ernesto Strauss

Diretor Cultural da B’nai B’rith do Brasil

Chanucá: da opressão à LUZ

Veja também

Dia 02 de maio, acontece mais um encontro através do Canal do YouTube da B’nai B’rith.

Domingo, dia 02 de maio às 17h, acontece mais um encontro através do Canal do …

Skip to content