Chag Matan Torateinu, Chag ha-Bikkurim. Estes são alguns nomes de Shavuot.

image_pdfimage_print

Nesta data, celebramos a entrega dos dez mandamentos ao povo de Israel, por volta do ano 2448 do calendário judaico.

Em apenas três ocasiões (Shalosh Regalim), Pessach, Shavuot e Sucot, os judeus iam ao Templo de Jerusalém para levar os frutos da terra em agradecimento a D´us. Frutas e verduras eram trazidas ao Templo e distribuídas aos pobres.

Contemporaneamente, os judeus não têm mais, fisicamente, o Templo de Jerusalém, mas colhem os frutos da sua tradição ancestral. De agricultores passaram a pertencer a vários segmentos das sociedades, nas mais diversas ocupações e profissões, perpetuando os valores passados por meio da tradição, que manteve atrelada à data as mesmas características e responsabilidades morais.

Se em Pessach se considera a libertação de um povo (e Rosh Hashaná comemora a criação do indivíduo), Shavuot celebra a organização moral do povo judeu. Com o recebimento da Torá, foi inaugurada uma era de civilidade norteada por normas e leis que visavam o bem comum e bom funcionamento social. Porque suprem necessidades de todo e qualquer povo organizado socialmente, as leis da Torá subsistiram e permanecem fortes até os dias atuais.

Mesmo em tempos difíceis, as pessoas não podem abrir mão de preceitos morais, da necessidade de que o mundo funcione com equilíbrio, com regras adequadas para todos, que os direitos básicos dos indivíduos sejam respeitados, como se preconiza na tradição judaica.

Chag Matan Torateinu, Chag ha-Bikkurim. Estes são alguns nomes de Shavuot.

Veja também

Clube do Livro BB. “A Caixa Preta”, de Amos Oz

Mediadora do “Clube do Livro” da B´nai B´rith, Marjory Abuleac entrevista a Profa. Nancy Rozenchan, …