Brasileiro aproxima judeus e árabes através do jiu-jítsu

Para o brasileiro Marcos Gorinstein, de 35 anos, o caminho para a paz entre árabes e israelenses passa pela via marcial. O treinador acredita que o contato físico entre ambos durante luta de jiu-jítsu pode ajudá-los a se conhecer e, assim, evitar a violência. É esse projeto que o carioca está desenvolvendo em uma escola de Jerusalém, ao ensinar jiu-jítsu para crianças árabes e israelenses, estimulando a interação entre grupos que os extremistas gostariam de ver separados.

Gorinstein imigrou para Israel em 2010, e acredita que quando começarem a conversar, as duas partes perceberão que não são tão diferentes assim. Não à toa suas classes de jiu-jítsu, que contam com 20 alunos, são realizadas na escola bilíngue (árabe e hebraico) “Hand in Hand”, que adota um projeto pedagógico na mesma abordagem, ensinando às crianças as duas narrativas do conflito.

 

Veja também

Shaná Tová Umetuká! Feliz 5781!

Deixe uma resposta

Skip to content