B’NAI B’RITH 180 anos no MUNDO 90 no BRASIL

DIREITO HUMANO NO DNA
Para um Mundo Melhor

A B’nai B’rith – Filhos da Aliança – é a mais antiga instituição judaica, não governamental, não partidária, que atua na defesa dos Direitos Humanos, fundada em 1843, atuante no mundo e no Brasil desde 1933!
Sua atuação na área assistencial abrangeu causas ligadas no combate à desnutrição, ao apoio a comunidades vítimas de catástrofes ambientais, como o Tsunami na Ásia, furacões na costa dos Estados Unidos e terremoto no Haiti, e apoio ao suporte médico em Cuba. Além disso, atua constantemente no combate ao racismo, ao antissemitismo, à intolerância, no auxílio a idosos, saúde e prevenção a doenças e em projetos de inclusão social por meio da educação, além do apoio ao Estado de Israel, onde está presente desde 1888.

Trabalho Humanitário como ferramenta
Formada por voluntários ao redor do mundo, foi a primeira instituição judaica a participar na Organização das Nações Unidas – ONU e na Organização dos Estados Americanos – OEA. Possui escritórios em Washington, Nova Iorque, Bruxelas e Jerusalém e tem representação na União Europeia e na Organização pela Segurança e Cooperação na Europa. Já chegou a atuar em cerca de 60 países congregando 300.000 membros!

Saúde, Lazer e Educação é um Direito Humano
No Brasil, iniciou, formalmente, as suas atividades em 1933, quando foram implantados vários programas, como a Gota de Leite B’nai B’rith, uma campanha que lutou contra a desnutrição, e desde então não parou mais, estendendo seu apoio solidário de norte a sul do país.
A atuação da BB no Brasil está representada no Conselho Parlamentar para Cultura de Paz e Frente Parlamentar pela Liberdade Religiosa da Assembléia Legislativa de São Paulo e no diálogo Cristão-Judaico, tendo-o fundado antes da Encíclica Nostra Aetate do Vaticano, e conta com inúmeros colaboradores independentes que fizeram com que a ação pelos Direitos Humanos alcançasse a dimensão que hoje tem em nossas vidas.
Instituiu, em 1967, a Medalha Nacional de Direitos Humanos e entre várias outorgas destacamos, nesta edição, a homenagem que a BB prestou ao então Ministro dos Esportes, Edson Arantes do Nascimento, o Pelé, em 1995, pelo seu empenho contra o preconceito racial. Além do Dr. Austregésilo de Athayde, Sra. Zilda Arns Neumann, Dra. Ruth Cardoso e Dr. Roberto Romano, pelas suas atividades em defesa e Ensino pela Ética e Ações Humanas.

 

János Bela Kovesi, presidente da BB – Brasil, Distrito 25 (1994-1995) entregando o Diploma e a Medalha Nacional de Direitos Humanos ao então Ministro dos Esportes, Edson Arantes do Nascimento, o PeléRoberto Romano recebendo o diploma e a Medalha Nacional de Direitos Humanos, de Abraham Goldstein, presidente da BB - Brasil, Distrito 25

Acima: Roberto Romano recebendo o diploma e a Medalha Nacional de Direitos Humanos, de Abraham Goldstein, presidente da BB – Brasil, Distrito 25, pela Defesa da Ética em todos os Campos do Conhecimento e da Ação, durante a 18ª Convenção Nacional, 01.12.2007, São Paulo. 

Ao lado: János Bela Kovesi, presidente da BB – Brasil, Distrito 25 (1994-1995) entregando o Diploma e a Medalha Nacional de Direitos Humanos ao então Ministro dos Esportes, Edson Arantes do Nascimento, o Pelé, durante a 12ª Convenção da Nacional da BB, 23.11.1995, São Paulo
 

 

Outorga da Medalha Nacional de Direitos Humanos à Primeira Dama Ruth Cardoso, pela instituição do programa Comunidade Solidária. A partir da esquerda: Sabina Lowenthal; Edda Bergmann; Abrão Lowenthal, presidente da BB – Brasil, Distrito 25

Outorga da Medalha Nacional de Direitos Humanos à Primeira Dama Ruth Cardoso, pela instituição do programa Comunidade Solidária. A partir da esquerda: Sabina Lowenthal; Edda Bergmann; Abrão Lowenthal, presidente da BB – Brasil, Distrito 25 ( 1996 -1997); Ruth Cardoso, e o casal Raquel e Francisco Gotthilf, fundador do Programa Mosaico na TV, e também presidente da BB em 1973, 1996 e 1997. 21.11.1997, São Paulo.

 

Abrão Lowenthal; Zilda Arns Neumann agraciada com a Medalha Nacional de Direitos Humanos pelo seu trabalho à frente da Pastoral da Criança; Edda Bergmann, presidente da BB - Brasil e Richard Reideman, presidente da BB - Internacional

Da esquerda para a direita: Abrão Lowenthal; Zilda Arns Neumann agraciada com a Medalha Nacional de Direitos Humanos pelo seu trabalho à frente da Pastoral da Criança; Edda Bergmann, presidente da BB – Brasil e Richard Reideman, presidente da BB – Internacional, gestão 2000-2001.

 

Outorga de Medalha Nacional de Direitos Humanos a Austregésilo de Athayde, presidente da Academia Brasileira de Letras,

Outorga de Medalha Nacional de Direitos Humanos a Austregésilo de Athayde, presidente da Academia Brasileira de Letras, durante a 7ª Convenção Nacional da BB – Brasil, Distrito 25, 12.11.1983, Guarujá.

 

Crédito das fotos: acervo BB

 

Reconhecimento das Lideranças

A BB sempre procurou somar e apoiar a todos aqueles que, como ela, tem por missão o combate ao racismo, ao antissemitismo, à intolerância e tudo o que venha a ameaçar os Direitos Humanos, sem deixar de considerar a importancia do cumprimento dos deveres.
Conheça a relação de todos que foram homenageados com a Medalha dos Direitos Humanos da B’nai B’rith ao longo dos seus 90 anos!
https://www.bnai-brith.org.br/medalha-de-direitos-humanos/

 

Em todos os tempos, seu trabalho continua! Venha, participe e colabore.
Presente em São Paulo, Rio de Janeiro, Curitiba e Porto Alegre
Fone para contato : 11 97185-1818 (Whatsapp)

Clique aqui para o arquivo original em PDF

Veja também

Bate-papo com o escritor Fernando Dourado sobre seu livro “O Halo Âmbar”.

Ontem, 06/06, quinta-feira, aconteceu bate-papo com o escritor Fernando Dourado sobre seu livro “O Halo …