175 anos de história e ação – B’nai B’rith conclui Fórum de Liderança em homenagem a sua fundação

Cento e setenta e cinco anos de ação, advocacy e serviço foram exibidos durante o Fórum de Liderança Internacional B’nai B’rith em Nova York. Durante três dias, líderes, membros, apoiadores e doadores analisaram a história indelével da organização que teve sua fundação no Lower East Side de Nova York, em 13 de outubro de 1843.

No fórum, Charles O. Kaufman, de Austin, Texas, foi eleito presidente para um mandato de três anos. Kaufman, com décadas de serviço à B’nai B’rith nos níveis local, nacional e internacional, observou: “As organizações que celebram 175 anos – e não são muitas – têm uma missão forte, grande determinação para o sucesso. e uma impressionante capacidade de inovar. B’nai B’rith construiu uma história da qual nos orgulhamos porque mostra que ser ágil, ousado e comprometido são chaves para a longevidade.”

Seth J. Riklin, da Sugar Land, Texas, foi nomeado presidente do executivo. B’nai B’rith também instalou novos vice-presidentes seniores, entre eles: Roberto M. Nul, de Buenos Aires. Gary P. Saltzman, que passou o cargo a Kaufman foi eleito presidente honorário.

Um dos destaques da celebração foi o jantar de gala realizado em 15 de outubro no Museu do Patrimônio Judaico. Lá, B’nai B’rith honrou os pilares da comunidade judaica e sua dedicação e compromisso com a comunidade nos últimos 175 anos.

O Secretário-Geral das Nações Unidas, António Guterres, enviou uma saudação especial à noite de gala: “Obrigado por serem tão fortes e há tanto tempo apoiarem as Nações Unidas. Você (B’nai B’rith) esteve presente na Conferência de São Francisco em 1945; você é uma Organização Não Governamental credenciada desde 1947; e hoje permanece uma presença dinâmica em nossos esforços para construir um mundo de paz, prosperidade e dignidade para todos.” E o Secretário-Geral observou depois: “O ‘ódio mais antigo’, o antissemitismo não deveria ter lugar no mundo, no século 21. De fato, as origens das próprias Nações Unidas estão enraizadas na necessidade de aprender as lições do Holocausto. Ser fiel à nossa Carta significa combater o antissemitismo em todo o mundo, e estou fortemente comprometido em estar na vanguarda da luta contra ele e contra todas as formas de discriminação ”.

Líderes corporativos e comunitários foram homenageados com o Prêmio da Herança Judaica durante a festa de gala.

O evento mostrou, entre o outros, como a organização foi uma incubadora para muitos dos grupos comunitários judaicos de hoje.

“A B’nai B’rith é uma organização única e fundamental”, disse o CEO e vice-presidente executivo da B’nai B’rith, Daniel S. Mariaschin, em seu discurso no fórum. “Nós nos encontramos com líderes nos campos da diplomacia e religião, na ONU e em outros lugares ao redor do mundo. Evoluímos e expandimos nossa missão ao longo de nossas 17 e meia décadas, mas nossos fundadores ainda reconheceriam nosso compromisso com Tikun Olam – tornando o mundo um lugar melhor.”

A B’nai B’rith também organizou um encontro com o embaixador Dani Dayan, o cônsul geral de Israel em Nova York, em um almoço, parte de nossa série de encontros diplomáticos em andamento. “Israel está mais forte, mais próspero e tem um relacionamento melhor com o mundo do que nós já tivemos”, disse Dayan. Ele continuou: “A força é uma necessidade”, mas observou que não é uma aspiração israelense.

Na ocasião, a B’nai B’rith conferiu um prêmio de Contribuições Extraordinárias para a Memória do Holocausto a Kimberly Mann, chefe da Seção de Educação do Departamento de Informações Públicas das Nações Unidas.

B’nai B’rith também reconheceu a dedicação e o comprometimento de cinco líderes com menos de 45 anos em seu trabalho pela organização. Eles receberam o Selo A. Katz Award.

Na intensa programação destaca-se um painel de discussão sobre A Crise do Sionismo nos “Espaços Progressistas” examinou os desafios enfrentados pelos sionistas hoje, onde, com demasiada frequência, lhes é negada uma voz sobre questões de igualdade e justiça.

Veja também

Nota de repúdio sobre o “Desafio do Holocausto” da Rede Social TikTok

Skip to content