YOM HASHOÁ VE HAGUEVURÁ 24 de Abril de 2017

Mensagem de Gilberto Natalini

Yom Hashoá, o dia da recordação dos heróis e mártires do Holocausto, um dos mais sombrios episódios da história da humanidade, quando seis milhões de judeus – entre muitas outras vítimas – foram exterminados pelos nazistas, durante a Segunda Guerra Mundial. Essa data precisa ser lembrada e relembrada, para que essa história não seja esquecida e nunca mais se repita.

Desde que assumi como vereador na Câmara Municipal de São Paulo, realizo a Sessão Solene em Homenagem aos Heróis e Mártires da Segunda Guerra Mundial, em parceria com a Sherit Hapleitá do Brasil, liderada pelo saudoso Ben Abraham e com a B´nai B´rith. Na ocasião homenageamos esses Heróis e Mártires e também os pracinhas da FEB. Levamos crianças de escolas públicas, para que elas sejam multiplicadoras das mensagens trazidas pelos próprios sobreviventes. A cerimônia que acontece há 14 anos é muito emocionante.
Sou um “soldado” dessa causa, e enquanto tiver condições, continuarei essa luta ao lado dos sobreviventes e de toda comunidade judaica.

Gilberto Natalini – Secretário Municipal do Verde e do Meio Ambiente e Vereador


Convite: Sessão Solene em Homenagem aos Heróis e Mártires da Segunda Guerra Mundial

Sessao-Solene2

 

 

A Roda do Ódio

Nessa época do ano, Yom Hashoá – Dia em Lembrança aos Mártires do Holocausto -, nos faz refletir. A data é a do Levante do Gueto de Varsóvia, esmagado após uma heroica resistência.

Devemos alertar para os perigos de regimes totalitários e fazer um demonstrativo do que levou e está levando historicamente ao ódio aos povos. Por que este fenômeno encontra respaldo continuamente na mente das populações?

Para entender um pouco melhor o mundo onde germinou o sentimento de ódio contra os Judeus no século passado, que levou ascensão do Nazismo no atrito após a Primeira Guerra Mundial, devemos olhar para o Tratado de Versalhes, que puniu a Alemanha pela derrota na Guerra de 1914/1918 e impôs diversas limitações.

Após a derrota, assumiu um regime democrático, que, no entanto, falhou, trazendo a débâcle econômica, vide o chanceler Walter Rathenau da Republica de Weimar. Surgiu um movimento com uma aparente recuperação da economia, de um forte nacionalismo alemão. Mas desde o início, culpava os judeus por todas as dificuldades do país, o famoso “bode expiatório”. O líder do movimento, Adolf Hitler, acabou preso, e na prisão escreveu sua obra maligna, admirada por uns e odiada por outros, “Mein Kampf”- Minha Luta. Este livro que nos dias de hoje novamente encontra leitores descreve suas ideias acerca dos judeus e de tudo o que pretendia fazer conosco. Com o tempo, cada vez mais o povo recebia doses de ódio culpando os judeus. O nacional-socialismo como se denominava o acabou obtendo vitórias em eleições e sendo incumbido de dirigir a nação alemã pelo Kaiser.

Assim, agrupamentos como a SA e a SS tornaram-se forças paramilitares atuando através do terror, na promoção do ódio da maquina mortifica da propaganda de Goebels. , Os intelectuais foram perseguidos, as lojas foram assaltadas, os judeus levados de suas casas, com as Leis de Nurenberg e a Noite de Cristal. Todos os judeus até a terceira geração, aproximadamente 600 mil foram colocados em prisões ou os famigerados campos de concentração. Alguns mediante comprovação de terem lutado pela Alemanha na Primeira Guerra Mundial, tiveram o privilégio de serem soltos, desde que abandonassem a Alemanha.

De 1938 em diante começaram a evoluír os campos de concentração para campos de extermínio em territórios dos satélites da Alemanha, assim como Polônia e Tcheco-Eslováquia dominados pelos bárbaros SS que usaram dos piores e inimagináveis métodos de reclusão, humilhação e morte.
Assim nosso povo perdeu mais de seis milhões de inocentes seres humanos.

Mas para entendermos este tipo de ódios devemos nos aprofundar ainda mais. Infelizmente, em diversos mementos da história o povo judeu foi alvo de perseguições. Um exemplo incrível foi a Inquisição da Espanha e Portugal, que escolheu os conversos Judeus como vitimas nos séculos 15 e 16, marcando-os com o ódio da injustiça e morte na Europa, com reflexo pela America do Sul, inclusive no Brasil.

Em traços gerais seria isto que devemos levar em consideração.

No mundo atual há tantas lutas, mas a ONU está preocupada em punir Israel, onde o conhecimento floresce e se dissemina em prol de toda a humanidade. As Nações Unidas não reconhecem a contribuição de Israel pelo bem estar de todos.

É esse ódio alimentado a partir de livros escolares, desde a mais tenra infância, como são o das crianças palestinas, que preocupa os que almejam a paz, os que querem interromper essa rota do ódio. É o crescente radicalismo e intolerância que vivemos no mundo.

Precisamos romper com esta rota de ódio. O povo judeu sobreviveu e deseja viver em paz. O povo de Israel deseja a paz.

Ernesto Strauss – Diretor Cultural da B’nai B’rith do Brasil

Veja também

Comunidade judaica paulista promove evento pelo Dia Internacional em Memória às Vítimas do Holocausto

Por ocasião do Dia Internacional em Memória às Vítimas do Holocausto, a Confederação Israelita do …