Vestido como judeu, Galliano irrita religiosos; assessora nega brincadeira

Demitido da grife Dior após declarações antissemitas, em 2011, o estilista John Galliano provocou nova polêmica ao aparecer vestido em trajes que remetem aos de um judeu ortodoxo.

Galliano foi fotografado quando saía para ver o desfile da coleção do amigo e também estilista Oscar de la Renta, na terça (12), em Manhattan, Nova York. Ele vestia um casaco longo preto, chapéu alto de aba larga e tinha cachos nas laterais da cabeça que lembravam o “peiot” usado por judeus hassídicos, o que incomodou líderes da comunidade religiosa da cidade.

“Ele está tentando constranger a comunidade judaica e ganhar dinheiro com roupas enquanto se veste ao modo das pessoas que insultou”, disse ao “New York Post” Isaac Abraham, líder da comunidade de Williamsburg. “Parece que o cabelo foi ajeitado de propósito para insultar.”

“De quem ele está caçoando?”, questionou outro líder religioso, Dov Hikind. “As meias, o casaco, o peiot… De quem ele está rindo?”

A assessora do estilista, Liz Rosenberg, negou que o traje tivesse caráter ofensivo. “John usa chapéus grandes e casacos longos há muitos, muitos anos. Ele tem cabelo encaracolado e longo, entendo que as pessoas e o ´New York Post´ tenham interpretado mal o ´look”´, afirmou ao site “WWD”. “Mas garanto que não houve intenção de se vestir da maneira hassídica, de fazer uma homenagem nem de ofender a cultura judaica –consciente ou inconscientemente”, disse Rosenberg.

Ela ainda descreveu o “look” de Galliano: chapéu Stephen Jones, calça Yohji Yamamoto, camisa Brooks Brothers e colete Dolce & Gabbana –“em outras palavras, fashion”. A assessora também destacou o esforço do estilista para aprender sobre o judaísmo, após ter sido condenado por um tribunal francês a pagar € 6.000 (cerca de R$ 16 mil) por seus insultos antissemitas contra clientes de um café de Paris.

“Ele tem trabalhado muito nos últimos dois anos com líderes da comunidade judaica em todo o mundo, mergulhou na literatura de Primo Levi e Elie Wiesel e aprendeu sobre o Holocausto”, disse Rosenberg. “Ele está arrependido e faz esforços sinceros.” Galliano já declarou que vem passando por um tratamento contra o alcoolismo.

No começo de fevereiro, o estilista entrou com um processo contra a Dior por irregularidade em sua demissão.

Após a divulgação do caso de insulto antissemita, em 25 de fevereiro de 2011 –que levou à detenção do estilista por algumas horas e ao posterior processo–, um vídeo feito em outra ocasião por um grupo de italianos mostrava Galliano dizendo que “amava Hitler”. Ele insultava os turistas e dizia que tinham de “ir embora”.

Veja também

Nova York tem tentativa de ataque terrorista nesta manhã

O maior terminal rodoviário do mundo foi palco da tentativa de um ataque terrorista, conforme …

Deixe uma resposta