Tisha B’Av e a Fraternidade

TISHA B’AV – “TAANIT YOM – DIA DE JEJUM”

9/Av – 13/08 – Erev, 10/Av – 14/08/2016

“Ergueu-se toda a Congregação a sua voz: e o povo chorou naquela noite”

The-Night-Spectacular-The-destruction-of-the-2nd-Temple-CREDIT-Amit-Geronsmall

Lembramos dias tristes da nossa historia. No ano de 586 A.C., após três semanas de sitio – de 17 de Tamuz  a 9 de Av, os babilônios  sob a regência de Nabucodonosor,  obtêm a destruição do Primeiro Templo de Jerusalém, e os judeus são expulsos e levados como escravos para a Babilônia.

Também em 9 de Av, no ano 70 D. C. os romanos destroem o Segundo Templo e tem lugar a Diáspora. Nesta data e no mês de Av se sucedem acontecimentos trágicos para o povo  judeu em diversos séculos. Ainda em Israel,  nos anos 135 ocorre a fracassada Revolta de Bar Kokhba, com luto pela perda de vidas.

Em 1290, os ingleses expulsaram os judeus. Os reis Fernando e Isabel  da Espanha decretam a  expulsão dos judeus, em  1492.  Mais ainda, na Alemanha, em 1938, o regime nazifascista deu inicio ao programa de eliminação dos judeus nos campos de concentração de nefasta memória – a Shoá.  Seis milhões de judeus foram  vitimas, na Alemanha e satélites vizinhos.

Por tudo isso, de 17 de Tamuz a 9 de Av  são três semanas de profunda tristeza.  Em 9 de Av  há um jejum de 24 horas, similar ao de Yom Kipur,  e nas sinagogas rezamos  “Eikha” o livro das lamentações do Profeta Jeremias. Quando esta data cai no Shabat, dia de alegria, o jejum começa apenas ao fim do Shabat, ao por do sol e passa para o dia seguinte, que neste caso é domingo 14 de agosto, é o que está acontecendo neste ano. Há uma série de alterações, inclusive nas rezas de Shabat e não fazemos a havdalá, pois a partir do por do sol, inicia-se o jejum e a tristeza torna-se ainda maior.

Como se vê nem sempre temos  motivos para nos alegrar.

Foi publicado em Israel o décimo volume da “Enciclopédia do Judaísmo” pela editora Fundação Posen, que tem como tese o “Judaism as a Culture” em hebraico com tradução para o inglês. A enciclopédia afirma que hoje a maior parte dos judeus  são seculares e, por isso, tem como objetivo lhes passar os ensinamentos baseados no Pirkei Avot –  Ética dos Pais, um verdadeiro modelo de  comportamento ético. Menciona também a sabedoria celebrada em prosa e verso por Martin Buber, com os Midrashim. É vasto o leque dos nossos ensinamentos, praticas e costumes. Analisando o amplo material chegamos à conclusão que a nossa B’nai B’rith se enquadra perfeitamente nesta mentalidade de que cada judeu  é responsável pelo outro, por seu irmão, como em nossa fraternidade, embasada nos princípios culturais do judaísmo.

Unimo-nos aos sentimentos pela perda de  ELIE WIESEL Z’L, sobrevivente que o mundo lamenta pelo muito que contribuiu para: “Esquecer jamais!”

Em Shalom,

Ernesto Strauss – Diretor Cultural da B’nai B’rith do Brasil

 

Veja também

Comunidade judaica paulista promove evento pelo Dia Internacional em Memória às Vítimas do Holocausto

Por ocasião do Dia Internacional em Memória às Vítimas do Holocausto, a Confederação Israelita do …