Sudão nega que libertará cristã condenada à morte

A sudanesa de 27 anos, que deu à luz na prisão, Meriam Yahia Ibrahim Yshag, condenada à morte por ter deixado o islamismo e ter se tornado cristã não será libertada, informaram as autoridades do Sudão, para acabar com comentários que circularam nos últimos dias. Para o Islã é inconcebível que um indivíduo mude sua religião e isto deve ser punido tirando-lhe a vida. A liberdade ainda está muito longe para grande parte da humanidade.

Veja também

Seminário e lançamento de livro marcam os sete anos da Cátedra da Cultura Judaica da PUC-SP

Nesta quarta-feira, 22 de novembro, a PUC-SP celebra os sete anos da Cátedra da Cultura …

Deixe uma resposta