Sessão Solene da Câmara Municipal, na B’nai B’rith, homenageia Mártires e Heróis do Holocausto

Aconteceu dia 6 de junho, na sede da B’nai B’rith, a Sessão Solene em Homenagem aos Heróis e Mártires da Segunda Guerra Mundial, uma iniciativa do vereador Gilberto Natalini, promovida pela Câmara Municipal de São Paulo, B’nai B’rith do Brasil, Sherit Hapleitá, Unibes. FEB e Forçar Armadas Brasileiras.

Na presença de inúmeros sobreviventes, disse o vereador Natalini: “Esta Sessão Solene que realizo há 14 anos, é um libelo pelos judeus e por todos que sofreram na Segunda Guerra Mundial”, “o Holocausto existiu e esse fato precisa ser lembrado para que nunca mais se repita”.

Lembrou: ”Infelizmente não poderemos mais contar com a presença de Ben Abraham”,(que foi o idealizador deste evento) e assumiu o compromisso: “e em homenagem a esse grande homem e a todos os sobreviventes darei continuidade a esta Solenidade, enquanto estiver na Câmara”.

Sessão Solene da Câmara Municipal
Fizeram parte da mesa diretora: vereador Gilberto Natalini, Abraham Goldstein, presidente da B’nai B’rith do Brasil, Yoel Barnea, cônsul geral de Israel em São Paulo, Celia Parnes, presidente da Unibes, Nanete Konig, sobrevivente do Holocausto, Fabio Nekrycz, neto de Ben Abraham, sobrevivente do Holocausto e proponente deste evento, tenente-coronel Serafim, representando general de Brigada Luciano Guilherme Cabral Pinheiro, Comandante Militar do Sudeste, Jairo Junqueira Filho, representando a Associação dos Ex-Combatentes do Brasil – Força Expedicionária Brasileira – FEB, dr. Luiz Kignel, vice-presidente da Federação Israelita do Estado de São Paulo e Zeila Sliozbergas, presidente da B’nai B’rith de São Paulo.

O cônsul Yoel Barnea ressaltou que o Holocausto foi a bancarrota dos valores mundiais e que os judeus continuam a ser atacados nos dias de hoje somente pelo fato de serem judeus. “O extremismo e o terrorismo não conhecem fronteiras”, disse, e são uma ameaça à “sobrevivência de nossas sociedades”, conclamando todos a se unirem em busca da paz.

“A eterna vigilância é o preço da liberdade”, lembrou Nanete Konig, em nome dos sobreviventes do Holocausto.

Abraham Goldstein, presidente da B’nai B’rith do Brasil
Abraham Goldstein, presidente da B’nai B’rith do Brasil, destacou o fato da solenidade ser intensa e multidisciplinar, com apresentação de teatro, poesia e música, “como fizeram os que resistiram nos diferentes campos de concentração, trabalho e extermínio”…, “sem jamais perder a esperança de que tudo terminaria bem um dia”.

“Vocês sobreviventes, vocês membros da nossa Força Expedicionária são a nossa referência positiva de como devemos resistir e superar os desafios que a tirania intolerante nos traz…Vamos incansavelmente procurar a paz justa para todos. Shalom”, concluiu.

Sobreviventes do Holocausto acenderam velas em memória dos 6 milhões de judeus.
As sobreviventes do Holocausto Rita Braun e Rachel Gotthilf acendem uma vela em memória dos seis milhões que pereceram, ao lado de aluno da EMEF Joaquim Nabuco.

Na ocasião, sobreviventes do Holocausto acenderam velas em memória dos 6 milhões de judeus que pereceram e o representante da FEB e o das Forças Armadas acenderam uma vela em homenagem aos pracinhas. O rabino Iehuda Gitelman, da Comunidade Beth-El, que gentilmente cedeu o espaço da sinagoga para a realização da cerimônia, proferiu as orações em memória dos mortos.

Esta Sessão Solene que realizo há 14 anos, é um libelo pelos judeus e por todos que sofreram na Segunda Guerra Mundia   

Sessão Solene em Homenagem aos Heróis e Mártires da Segunda Guerra Mundial, uma iniciativa do vereador Gilberto Natalini,
Vereador Gilberto Natalini falou de seu apreço e ação junto à comunidade judaica.


Na programação cultural, um trecho da peça de teatro Mergulh
Na programação cultural, um trecho da peça de teatro Mergulho, dirigida por Leslie Marko, foi muito aplaudido. A peça, sobre intolerância e preconceito, já foi presentada pela B’nai B’rith a mais de 2500 adolescentes.

A profa. Maria Ruth Alves Brito coordenou os alunos da Escola Municipal Joaquim Nabuco, que leram poemas sobre o Holocausto, tema que estudam em sala de aula.

Alunos da Escola Municipal Joaquim Nabuco
Alunos e a professora da EMEF Joaquim Nabuco junto com a sobrevivente Miriam Neckricz e seu neto Fábio, que representou o avô, Ben Abraham, na solenidade.


Orquestra Laetare, sob a regência da maestrina Muriel Waldman

A Orquestra Laetare, sob a regência da maestrina Muriel Waldman também contribuiu para abrilhantar o evento.

 

book.boxnet.com.br

Veja também

Professor de esquerda ligado a Israel aborda o antissemitismo nas esquerdas

“Convivo com gente da esquerda há décadas e, tendo uma relação muito forte com Israel …