Sessão Solene da Câmara Municipal homenageia heróis e mártires da 2ª. GM, em emocionante cerimônia na B’nai B’rith SP

1

Na segunda-feira, 8 de maio, a Câmara Municipal de São Paulo. Sherit Hapleitá, B’nai B’rith do Brasil e Unibes com apoio da FEB, e das Forças Armadas – Exército, Aeronáutica e Marinha – realizaram uma tocante Sessão Solene em Homenagem aos Heróis e Mártires da Segunda Guerra Mundial.

A Sessão é uma iniciativa do vereador Caio Miranda Carneiro e do vereador e Secretário Municipal do Verde e do Meio Ambiente Gilberto Natalini.

Teve lugar na sede da B’nai B’rith, reunindo autoridades, lideranças da comunidade judaica, sobreviventes do Holocausto, muitos dos quais são membros da instituição, e alunos da EMEF Olavo Pezzotti.

O evento contou com discursos de Zeila Sliozbergas, presidente da B’nai B’rith São Paulo, Dori Goren, cônsul geral de Israel em São Paulo, Bruno Laskowsky, presidente da Federação Israelita do Estado de SP,, Miriam Neckrycz, sobrevivente, representando a Sherit Hapleitá do Brasil, Barbara Regina Lerner, vice-presidente da Unibes, coronel Jairo Junqueira da Silva Filho, vice-presidente do Centro Cultural da FEB, pela Associação dos Ex Combatentes da Força Expedicionária Brasileira, da qual seu pai fez parte, aspirante Manoela Souza, representando o IV Comando Aéreo Regional da Aeronáutica e Capitão de Fragata José Silvio Fonseca Tavares Júnior, representando o 8º Distrito Naval.

Pelos sobreviventes falou Thomas Venetianer. Finalizando a Sessão, fizeram uso da palavra o Secretário Gilberto Natalini e o vereador Caio Miranda Carneiro.

Zeila Zliozbergas, presidente da B’nai B’rith São Paulo, ressaltou “a sensibilidade do nobre vereador (Caio Miranda) realçando seu caráter humanista e preocupação com a preservação da memória dos Heróis e Mártires da Segunda Guerra Mundial, que pereceram e principalmente a dos sobreviventes”.

Falando do negacionismo, constatou: “Na era de Internet o antissemitismo e a negação do Holocausto estão sendo transmitidos globalmente, A B’nai Brith se posiciona duramente diante da transmissão e reverberação do ódio na Internet”.

“Aqui no Brasil, a B’nai Brith há 85 anos se posiciona contra ações que ferem seus princípios e objetivos, promovendo atividades direcionadas a manutenção dos valores da justiça social, da democracia, da abertura para as diversidades, religiosa, política e de visão de mundo”.

“Acreditamos, que educar as novas gerações é o caminho para prevenção do preconceito, da discriminação, da Intolerância religiosa e o antissemitismo”.

Finalizou se discurso, dizendo: ”contem conosco!”  Veja a íntegra neste link.

O coronel Jairo Junqueira relatou que 25 mil soldados brasileiros lutaram na Segunda Guerra Mundial e mais de 400 pereceram. Ressaltou a importância da memória, porque os que se esquecem da história, correm o risco de repeti-la.

O cônsul Dori Goren lembrou que seu pai, na época morando na Palestina, foi um dos combatentes judeus contra o nazismo, e que houve muitos outros, nas forças aliadas e na resistência.

Destacou a importância de todos que lutaram contra o nazifascismo, rendendo homenagens em especial aos brasileiros que na pereceram na Europa para salvaguardar a democracia. “Agradeço ao Brasil por ter enviado seus soldados para aquela guerra santa e justa”.

O Secretário do Verde e do Meio Ambiente, Gilberto Natalini, que como vereador esteve à frente deste evento por mais de uma década, falou sobre a eterna vigilância necessária contra o totalitarismo. “Não pensem os senhores que as ideias derrotadas na Segunda Guerra pereceram”, lembrou.

O proponente da Sessão, vereador Caio Miranda disse que a luta pela liberdade é de todos nós e que assume o compromisso com os sobreviventes e heróis da FEB na preservação da memória.

Os alunos da EMEF Olavo Pezotti apresentaram um poema em forma de jogral. Presentes à cerimônia a coordenadora da escola, Elisa Miriam Katz e a professora Renata Pizetta. A Orquestra de Cordas Laetare, sob a regência da maestrina Muriel Waldman abrilhantou o evento com diversas músicas.

Um momento impactante foi o acendimento de seis velas em memória dos seis milhões de judeus assassinados no Holocausto. Cada vela foi acessa por dois sobreviventes e um aluno da Escola Municipal de Ensino Fundamental Olavo Pezzotti. Antes disso, o chazan David Léo Einsencraft rezou El Maleh Rahamim e Yzkor, orações de finados. Os representantes da FEB e das Forças Armadas acenderam uma vela pelos soldados brasileiros que tombaram lutando na Segunda Guerra para libertar o mundo do jugo nazifascista.

20170508_200134

04alunas

20170508_204005

20170508_203952

20170508_203832

20170508_203913
IMG-20170510-WA0002

20170508_213250

02Natalini

20170508_210754

01Marinha

20170508_214111

20170508_212738

IMG-20170510-WA0005

IMG-20170510-WA0004

Veja também

Federação Israelita do Estado de São Paulo repudia vinda do Aiatolá Mohsen Araki ao Brasil

A Federação Israelita do Estado de São Paulo (Fisesp), entidade que representa a comunidade judaica …