Segurança: Questão de Estado ou de Governo, mobiliza público na B’nai B’rith SP

Em 21 de maio, no Ciclo de Palestras, a B’nai B’rith São Paulo recebeu o coronel José Vicente e o sociólogo Túlio Kahn para abordar o tema Segurança: Questão de Estado ou de Governo.

Em uma análise sobre a violência, os dois especialistas com um largo currículo, detalharam o que acontece nos bastidores do sistema, explicando as alterações nos índices de criminalidade em diversos estados, as conquistas e o muito que falta alcançar.

“Nem tudo é o que parece”, destacou Kahn, desmistificando e mostrando erros em manchetes, notícias e até teses acadêmicas, motivados por viés ideológico, falta de informação ou manipulação de dados.

A diminuição ou a falta de salários está diretamente ligada ao aumento da criminalidade em locais como Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Ceará, Bahia, entre outros. Além da descontinuidade de políticas públicas na área da segurança e da falta de condições de trabalho para o policial, relatou o coronel Jose Vicente. Citou, por exemplo, a valorização do policial no Canadá, onde o profissional recebe subsídios para compra de moradia, entre outros benefícios.

Kahn demonstrou através de gráficos o aumento da criminalidade nas crises econômicas e seu decréscimo quando a situação melhora.

Ambos mencionaram São Paulo como o estado com um dos menores índices de homicídios. Para Kahn, foram fundamentais nesse processo a implantação do sistema informatizado INFOCRIN, do qual participou, e o Estatuto do Desarmamento (2003). “É preciso estratégia para a prevenção”.

Vicente credita à iniciativas da Polícia Militar e a Secretários de Segurança Pública de São Paulo melhorias obtidas pela corporação ao longo dos anos. A continuidade das políticas públicas no Estado de São Paulo permitiu esse avanço.

A importância da interação entre Polícia Civil e Militar parece evidente, mas há estados onde ainda hoje não há troca de informações entre ambas.
Alguns governadores tentaram de forma isolada modificar o sistema e não obtiveram êxito, relatou o coronel, ao ressaltar que a Segurança deve ser objeto de uma politica federal.
“Tínhamos um Ministério da Pesca, mas não um da Segurança Pública”, lembrou Túlio Kahn.

Não é fornecida prioridade à questão da Segurança pelos políticos, pelos congressistas, afirmou o coronel Vicente, reiterando a importância de os candidatos à presidência da República apresentar um plano de governo nessa área, desenvolvido por profissionais, e que depois da eleição não seja esquecido.

Intensa participação do público abrilhantou ainda mais a noite, ao final da qual a presidente da B’nai B’rith São Paulo, Zeila Sliozbergas, presenteou os palestrantes com livros da instituição.

Veja também

Ciganos usam centro contra preconceito

“Quando eu era uma criança vendendo cartões-postais a turistas, não pensava que escreveria um livro. …