Que não o leiam…por Pilar Rahola

Se o Hamas lança mísseis contra as populações civis, não é para matar, e sim para fazer um happening.

Que este artigo não seja lido por aqueles que sabem tudo sobre este endiabrado o conflito. Que não o leiam aqueles que creem que sete milhões de israelenses são potenciais assassinos, ávidos por sangue de crianças, ao estilo do mito medieval dos judeus q    eu bebiam o sangue de crianças cristãs. Que não o leiam aqueles que acreditam que Israel  não se defende de nada, senão que gosta da guerra e da morte.

Que não o leiam os que reduzem uma sociedade democrática, que anseia a paz e segurança, a uma confraria  de imperialistas enlouquecidos. Tampouco aqueles que sabem quem  é mau, ainda que não conheçam as circunstâncias que desembocaram  em outro momento trágico. Que não o leiam aqueles que somente veem a violência quando os israelenses movem os tanques, mas nunca quando caem milhares de foguetes sobre a população civil de Israel, cuja vida diária é um inferno. E tampouco os que nunca veem as vítimas judias, porque as consideram culpadas de sua própria morte.

E não, que não o leiam os que acreditam que o Hamas é uma organização pacífica de resistência, e não um movimento fanático, cujo objetivo é a destruição de Israel e a criação de uma república islâmica. Que não o leiam os que não querem saber que o Hamas coloca suas bases de mísseis em lugares repletos de pessoas para  usá-las como escudos humanos. Que não o leiam os que mostram fotos de palestinos, mas não falam das crianças judias que podem morrer a cada dia sob os mísseis e que não morrem porque o escudo israelense o impede.  Que não o leiam os que pensam que se o Hamas atira misseis sobre as populações civis não o fazem para matar pessoas, senão para fazer um happening.

Tampouco aqueles que não se perguntam que países financiam a guerra santa na área, impedem os acordos e impossibilitam a paz. Nem tampouco os que creem que o povo palestino tem líderes magníficos, e não pessoas violentas que os conduzem ao desastre. Que no o leiam os que não se dão conta que nos abrigos antimísseis também se protegem os árabes israelenses. Tampouco os que não sabem nada de história e repetem os velhos mantras da propaganda anti-israelense. Que não o leiam os que usam a palavra sionista como si fosse uma maldade intrínseca, sem saber nem quem era Theodor Herzl, ne, as bases socialistas do movimento, nem o espírito de convivência que o alentou. E por não ler, que não o leiam os que negam todo debate, porque já condenaram Israel no tribunal do dogma. Que não o leiam aqueles interessados ​​apenas nesse conflito, e nunca pelos milhares de muçulmanos mortos nas mãos de seus próprios fanáticos. E, finalmente, não leia os que se colocam em um plano moral superior e condenam Israel ao inferno e negam aos outros o direito de ver o conflito com maior complexidade. Que não leiam nada disso, porque eles já têm todas as respostas, eles, que não são capazes de fazer nem uma única pergunta.

Veja também

Festa das Luzes

Amigos e colegas de Diálogo! A Festa das Luzes é um encontro para todas as …

Deixe uma resposta