Qual o risco do ISIS para Israel?

O ISIS está amedrontando o mundo por sua crueldade e radicalismo. Até agora pouco conhecido, o ISIS e sua influência na política do Oriente Médio são analisados no artigo do jornalista Guga Chacra, de Nova Iorque, especial para a Rua Judaica, que reproduzimos abaixo.

O ISIS (Estado Islâmico do Iraque e da Síria) é o mais radical grupo extremista islâmico da história moderna da humanidade a ponto de a Al Qaeda parecer moderada perto dele. Se os seguidores de Bin Laden se explodem, os do ISIS, que seguem uma vertente ultra radical do braço sunita do islamismo, castram e matam xiitas, estupram mulheres alauítas, crucificam cristãos e trucidam até mesmo sunitas moderados. Colecionam inimigos que incluem os EUA, Irã, Hezbollah, governo do Iraque e o regime de Bashar al Assad na Síria. Seus membros nasceram nos subúrbios das grandes cidades europeias, na Ásia Central, em áreas da ex-União Soviética em diferentes pontos do mundo árabe sunita, como a Líbia ou Iêmen.

Para complicar, há uma enorme chance de o ISIS chegar à fronteira de Israel, se isso já não começou a acontecer, com o risco de lançamento de mísseis. Embora não tenha capacidade de enviar membros para dentro do território israelense ou palestino, esta organização ultra radical possui capacidade de recrutar membros na Cisjordânia e na Faixa de Gaza. Nesta semana, o ISIS fez uma parada na Síria carregando mísseis “que serão direcionados para Israel”.

Qual o risco do ISIS para Israel?

Síria e Líbano

Para conter o avanço nas suas fronteiras, Israel precisará trabalhar em coordenação com seus inimigos, ainda que de forma indireta. Mais ou menos como o Irã e os EUA no Iraque. Bashar al Assad, na Síria, e o Hezbollah, no Líbano, por mais inimigos que sejam de Israel, eles são ainda mais inimigos do ISIS. O regime sírio e o grupo libanês são os únicos capazes de manter o ISIS longe das Colinas do Golã e do sul do Líbano. Você teme o Hezbollah? Lembre que o grupo xiita é aliado de partidos cristãos em Beirute e tem uma série de investimentos no país.

Agora, imagine o ISIS, que crucifica cristãos e não tem nada a perder na fronteira com Israel? Por enquanto, Hezbollah e as Forças Armadas Libanesas têm trabalhado firme para conter o ISIS como vimos em recentes prisões em hotéis na Hamra (áreas de Beirute), mas a capital libanesa foi alvo de atentados do ISIS ou da rival e não menos sanguinária Frente Nusrah, ligada à Al Qaeda, contra áreas xiitas do país no passado.

Qual o risco do ISIS para Israel?

Jordânia e Egito

No caso da Jordânia, o risco também é grande. O ISIS já controla as fronteiras do Iraque com o território jordaniano. Diferentemente de Assad na Síria, o rei Abdullah não conta com a ajuda do Irã, do Hezbollah e da Rússia para lutar contra o ISIS. Seu Exército é bem armado, mas talvez necessite de ajuda de Israel e dos EUA para se defender. Isso, de uma certa forma, já começou, mas precisa ser intensificado – claro, sem chamar a atenção pois poderia haver o efeito adverso e aumentar a insatisfação com o monarca.

No Egito, o cenário melhorou um pouco com a chegada de Sissi ao poder. Embora seja mais um ditador autocrático de óculos escuros no Egito, ele diz estar comprometido em combater o terrorismo. Mas o Sinai ainda é uma área de crescimento do radicalismo e com possível penetração do ISIS. Sissi perde tempo prendendo membros civis e inocentes da Irmandade em vez de se focar nos terroristas ligados ao ISIS e Frente Nusrah (ambos inimigos também da Irmandade).

Qual o risco do ISIS para Israel?

Cisjordânia e Gaza

Nas áreas palestinas, Israel precisará usar todos os seus serviços de inteligência e contar com a ajuda da Autoridade Palestina, também ameaçada pelo ISIS. Por mais bizarro que possa parecer, talvez precise de apoio indireto do Hamas que não quer um rival entre extremistas – o Hamas, inclusive, é um dos responsáveis para evitar o crescimento da Al Qaeda nas áreas palestinas.

O risco para Israel e para o Oriente Médio todo é o ISIS neste momento. E, nesta guerra, os israelenses talvez precisem da ajuda de seus antigos inimigos – Assad, Irã e Hezbollah – e de ditaduras como a do marechal Sissi e do rei Abdullah. O status quo anti é melhor do que o status quo que está por vir.

Guga Chacra, mestre em Relações Internacionais pela Universidade Columbia

Guga Chacra, mestre em Relações Internacionais pela Universidade Columbia, é comentarista internacional da Globo News e do Grupo Estado. No passado, foi correspondente do Estadão no Oriente Médio e em Nova York e da Folha de S. Paulo em Buenos Aires. É um dos raros jornalistas brasileiros a ter entrevistado Bashar al Assad.

Veja também

Comunidade judaica paulista promove evento pelo Dia Internacional em Memória às Vítimas do Holocausto

Por ocasião do Dia Internacional em Memória às Vítimas do Holocausto, a Confederação Israelita do …

Deixe uma resposta