Presidente da Polônia sanciona lei que nega papel do país no Holocausto

Os principais jornais do Brasil relatam a sansão pelo presidente da Polônia, Andrzej Duda, ontem a um projeto de lei que torna crime acusar o país de conivência com os crimes cometidos pelos nazistas em território polonês durante a Segunda Guerra.

A chamada “Lei do Holocausto”, que pode levar ao aumente do antissemitismo no país, causou fortes reações da comunidade judaica e tensões diplomáticas com Israel, Estados Unidos e Ucrânia. Matéria em O Globo destaca:

Duda disse em discurso televisionado que a lei irá proteger a reputação internacional da Polônia, mas Israel pediu alterações, dizendo que os dois países têm uma “responsabilidade conjunta” de preservar a memória do Holocausto.

Os Estados Unidos, aliados da Polônia na Otan, manifestaram seu desapontamento com a decisão de Duda. “(Este projeto) protege interesses poloneses, nossa dignidade, a verdade histórica, para que nós não sejamos caluniados como Estado e nação”, disse Duda, aliado do partido governista Lei e Justiça (PiS), que apresentou o projeto de lei. “Ele também leva em consideração a sensibilidade daqueles para os quais a memória do Holocausto é muito importante”. A lei polonesa prevê penas de até três anos de prisão quem usar a expressão “campos de concentração poloneses” ou sugerir que o país foi cúmplice dos crimes nazistas.

O PiS – partido conservador e nacionalista que tem confrontado a União Europeia e grupos de direitos humanos sobre diversas questões desde que assumiu o poder no final de 2015 – diz que a nova lei é necessária para garantir que os poloneses sejam reconhecidos como vítimas, não autores, da agressão nazista na Segunda Guerra Mundial. Israel afirma que a lei vai conter a liberdade de expressão, criminalizar fatos históricos e impedir qualquer discussão sobre o papel que alguns poloneses desempenharam nos crimes nazistas. Ativistas dizem que a aprovação do projeto de lei encoraja o crescimento do antissemitismo.

Antes da Segunda Guerra Mundial, a Polônia abrigava a maior comunidade judaica da Europa — cerca de 3,2 milhões de pessoas. A Alemanha nazista atacou e ocupou o país vizinho em 1939 e mais tarde construiu campos de extermínio, entre eles Auschwitz e Treblinka, em seu território. A maioria dos judeus que viviam na Polônia foi morta pelos ocupantes nazistas.

O Globo/Conib

Veja também

Ciganos usam centro contra preconceito

“Quando eu era uma criança vendendo cartões-postais a turistas, não pensava que escreveria um livro. …