Pessach e o Judaísmo: a liberdade de mudar

Pessach 5778-Sexta-feira 30/03/2018 – Véspera – Primeiro “Seder”
14 de Nissan- Erev Pessach – Passar por cima.

O que nos motiva nesta noite a iniciarmos os sete dias de Pessach este ano?

“O que somos e o que seremos – De onde viemos e para onde vamos”, refletimos.

Que ensinamentos transmitimos aos nossos filhos nesses dias, muitos através da simbologia?

Nossas famílias se unem nesta noite ao lermos a Hagadá (o relato) dos acontecimentos no antigo Egito na Luta pela libertação do jugo, do sofrimento a nós imposto pelos faraós. Na ganância de construir símbolos na terra usando os esforços dos nossos, como escravos. Moisés, o nosso líder, teve de impor as dez pragas ao faraó para que nos deixassem partir e então após a décima ele finalmente amoleceu e partimos, mas, logo se arrependeu e seguiu em nossa perseguição. O mar se abriu e o atravessamos que então fechou afogando os seus exércitos. Milagre? Lá fomos a caminho de uma longa viagem de 40 anos pelo deserto à terra de Israel. Não foi pouco e nos faz migrar pelos séculos a caminho de Israel. Um sonho difícil e de muitos sacrifícios. Muitas lutas e poucas vitórias. É o que relatamos e debatemos em nossos lares nesta noite festiva.

“AM ISRAEL CHAI” “Viva o povo de Israel”, por séculos.

“O que é Judaísmo?“. O rabino Lorde Jonathan Sacks nos relata em recente artigo, que resumimos:

Uma religião? Um credo? Uma Fé? Um meio de vida? Uma forma de acreditar? Uma coletânea de ensinamentos, de Mandamentos? Uma Cultura? Uma civilização? Um caminho de uma constelação de ideais? Uma forma de pensar? Uma forma de entender o mundo ou o caminho que representamos nisto tudo?

Judaísmo contem ideias de mudança de comportamento. Devemos pensar sobre tudo isto, há muito que aprender e entender.

Muito sempre são as nossas contribuições.

Poucos compreendem a importância da fé. Sabemos da Torá e é o que Maimônides nos ensinou nos 613 Mandamentos que contem os princípios da Fe Judaica. Sabemos e acreditamos.
Tudo isto e muito mais.

Este é um pensamento, nem Política, nem Filosofia. Alguns são vida. Temos a chance de mudar conforme pensamos. Ideias mudam vidas, e grandes ideias nos fazem sermos as pessoas que somos reforçando nossas origens. Assim procuramos a felicidade e a benção pela vida.

“Ser o que somos”

Esperamos que em nossos dias possamos nos encaminhar para a felicidade, com o pensamento de que neste mundo de inovações e ameaças nos traga tranquilidade em tudo isto.

A paz sonhada e desejada.

O que nos tranquiliza é Israel forte diante de constates ameaças, compartilhando de alegrias e um bom convívio com todos nós.

Pessach Am Sameach em Shalom, e bem estar para as nossas famílias.

Ernesto Strauss – Diretor Cultural – B’nai B’rith do Brasil

Veja também

Alemanha: judeu é atacado por árabe e golpeado pela polícia

Um judeu israelense foi atacado por um árabe na cidade de Bonn, na Alemanha, e …