Pessach: A liberdade de pertencer ao coletivo

14 a 22 de Nissan 5774 – 14 a 22 de abril de 2014

O tempo corre e já estamos as vésperas de Pessach. O dia da libertação e da liberdade do povo judeu do jugo e da pressão vividos no Egito há 3000 anos.

Pessach – que significa “passar por cima” – se refere a ultima praga, na qual um anjo colocou uma marca de sangue de cordeiro nas portas, salvando os nossos primogênitos da morte. De acordo com o relato bíblico, as 10 pragas forçaram o faraó do Egito a deixar o nosso povo sair.

Nesta noite de jantar em família, mobiliza todas as donas de casa para dar o melhor de si, em um ambiente digno com os pratos típicos, tendo ao centro a matzá, o pão não fermentado feito na ultima hora da pressa. O prato de Seder-(ordem) com maror, a erva amarga, sentindo o gosto da escravidão. O charosset que lembra a argamassa das construções faraônicas. Além dos outros como, a salsa, a água salgada que lembra as lagrimas derramados pelo sofrimento. Tudo isso Moisés nos ensina.

O rabino Lorde Jonathan Sacks em seus livros menciona que Moisés ao falar ao seu povo, não lhes falou sobre liberdade e Terra Prometida, mas sim sobre os pais falarem aos seus filhos da história de seu povo. Isto simboliza a forma de educação pelo nosso passado “Manishtana Halaila Há´ze”-que esta noite seja diferente de todas as noites e contarás a seus filhos a história de teu povo, que deixa um marco eterno de geração em geração, na mente deles.

Veja também

Seminário e lançamento de livro marcam os sete anos da Cátedra da Cultura Judaica da PUC-SP

Nesta quarta-feira, 22 de novembro, a PUC-SP celebra os sete anos da Cátedra da Cultura …

Deixe uma resposta