Para uma escola judaica no centro de Bruxelas é preciso mudar ou fechar

No terceiro andar da escola judaica mais antiga da capital belga, Jacquy Wajc faz uma pausa para ouvir o estranho silêncio que paira nos corredores.

Fundada em 1947 como uma prova de recuperação judaica pós-Holocausto, a Escola Athenee Maimonides, com 600 alunos em seu espaçoso prédio no centro de Bruxelas, mas agora tem apenas 150. A escola entrou em queda livre há 10 anos, quando os judeus deixaram a área indo para os subúrbios e foram substituídos por imigrantes, muitos deles muçulmanos, o que fez judeus acreditam que a área era insegura.

“Quebra meu coração”, diz Wajc (pronunciado “vights”), presidente da Escola de Maimonides.

Com os ataques antissemitas dispararam durante a segunda intifada palestina no início de 2000, os pais dos alunos, preocupados com a segurança, tiraram seus filhos, levando o colégio a se individar junto aos órgãos governamentais.

Este ano, a equipe de Maimônides tem intensificado os esforços para encontrar um local alternativo nos subúrbios. Se sua tentativa falhar, a escola pode fechar, completando o êxodo silencioso dos judeus do centro de Bruxelas.

“A história de Maimonides é a história da comunidade judaica de Bruxelas” e seu desconforto crescente na cidade “, disse Joel Rubinfeld, aluno de Maimonides e co-presidente da comunidade europeia judaica.

Não é só Bruxelas. Em toda a Europa, os judeus têm silenciosamente abandonado áreas urbanas muito habitadas em bairros centrais indo para subúrbios distantes.

A população judaica de 80.000 em Marselha, na França, foi quase totalmente removidos para fora do centro da cidade habitado em sua maioria por muçulmanos até a década de 1980. Migrações semelhantes aconteceram em outra cidade francesa, Lyon, assim como em Amsterdã e até Antuérpia – o lar de uma das últimas comunidades judaicas européias dos centros urbanos.

“Isso está acontecendo em toda a França, Bélgica e Holanda”, disse Dina Porat, chefe do Centro Kantor da Universidade de Tel Aviv para Estudo dos judeus europeus contemporâneos. “Alguns mudam para melhorar a qualidade de vida, outros se sentem inseguros pelos muçulmanos. Para alguns, é uma combinação de ambos. ”

Veja também

Pesquisas do Arqshoah  serão divulgadas na Universität de Zürich (Suíça)

Neste dia 9 de outubro, a historiadora  Maria Luiza Tucci Carneiro faz uma vídeoconferência para …

Deixe uma resposta