Palestinos resistem a desocupar terreno

Ao menos 200 palestinos resistiam na tarde de sábado a desocupar um terreno reservado pelas autoridades israelenses para um assentamento judaico na Cisjordânia, comprovou a AFP no local.

 “Membros da administração civil israelense na Cisjordânia nos deram o prazo de uma hora esta manhã para desocupar o terreno”, revelou um militante da organização Abi Copty acampado no local desde a sexta-feira. “Mas não temos a intenção de partir”.

 O Exército israelense, estacionado nas imediações da colina onde está o terreno, isolou o local com barreiras, observou a AFP.

  O negociador palestino Saeb Erakat declarou à AFP que o Exército o deteve em um posto de controle e determinou que voltasse a Ramallah.

 O acampamento é integrado por cerca de 20 barracas e está na zona sensível E1, onde o governo retomou recentemente seu projeto de colonização na Cisjordânia.

 A polícia israelense publicou na sexta-feira a ordem de remoção dos militantes palestinos e declarou o setor “zona militar proibida” a civis, mas os palestinos obtiveram uma medida cautelar na Suprema Corte de Israel.

 “Esta medida deteve qualquer evacuação por seis dias a partir da instalação do acampamento, na sexta-feira”, destacou a militante Irene Nasser à AFP.

 O acampamento, batizado “Bab al Shams” (“Porta do Sol”), está situado entre Jerusalém Oriental ocupada e a colônia israelense de Maale Adoumin.

O projeto de construção da zona E1 pretende unir Maale Adoumin aos bairros judaicos de Jerusalém Oriental.

Veja também

Comunidade judaica paulista promove evento pelo Dia Internacional em Memória às Vítimas do Holocausto

Por ocasião do Dia Internacional em Memória às Vítimas do Holocausto, a Confederação Israelita do …

Deixe uma resposta