Palestinos resistem a desocupar terreno

Ao menos 200 palestinos resistiam na tarde de sábado a desocupar um terreno reservado pelas autoridades israelenses para um assentamento judaico na Cisjordânia, comprovou a AFP no local.

 “Membros da administração civil israelense na Cisjordânia nos deram o prazo de uma hora esta manhã para desocupar o terreno”, revelou um militante da organização Abi Copty acampado no local desde a sexta-feira. “Mas não temos a intenção de partir”.

 O Exército israelense, estacionado nas imediações da colina onde está o terreno, isolou o local com barreiras, observou a AFP.

  O negociador palestino Saeb Erakat declarou à AFP que o Exército o deteve em um posto de controle e determinou que voltasse a Ramallah.

 O acampamento é integrado por cerca de 20 barracas e está na zona sensível E1, onde o governo retomou recentemente seu projeto de colonização na Cisjordânia.

 A polícia israelense publicou na sexta-feira a ordem de remoção dos militantes palestinos e declarou o setor “zona militar proibida” a civis, mas os palestinos obtiveram uma medida cautelar na Suprema Corte de Israel.

 “Esta medida deteve qualquer evacuação por seis dias a partir da instalação do acampamento, na sexta-feira”, destacou a militante Irene Nasser à AFP.

 O acampamento, batizado “Bab al Shams” (“Porta do Sol”), está situado entre Jerusalém Oriental ocupada e a colônia israelense de Maale Adoumin.

O projeto de construção da zona E1 pretende unir Maale Adoumin aos bairros judaicos de Jerusalém Oriental.

Veja também

Festa das Luzes

Amigos e colegas de Diálogo! A Festa das Luzes é um encontro para todas as …

Deixe uma resposta