ONU nomeia como funcionário autor de livros que negam o Holocausto

A Assembleia Geral da ONU aprovará e uma resolução ratificando todas as resoluções de 2012, assim como as decisões do  Conselho de Direitos Humanos.

Enquanto muitas decisões foram boas, outras não. Uma se destaca por sua ignomínia: a nomeação de um alto funcionário autor de livros sobre a Segunda Guerra Mundial que fazem os alemães de vítimas e os aliados de criminosos de guerra, tornando- o um herói para os negadores do Holocausto. 

Alfred de Zayas foi nomeado em março, pelo Conselho como “Especialista Independente para a promoção de uma ordem internacional democrática e justa”, um mandato antiocidental criado pelo regime comunista de Cuba. 

Inexplicavelmente, Zayas foi recomendado por unanimidade na ONU Essa comissão incluiu embaixador britânico Peter Gooderham, que deveria representar efetivamente os interesses e valores das democracias ocidentais, como a Grã-Bretanha, França, Alemanha e Estados Unidos. 

Para desfazer esta indicação errônea, o embaixador dos EUA, Susan Rice, deve liderar as democracias do mundo para pedir uma votação sobre a resolução que inclui a nomeação de Zayas e votar contra. 

Rice também deve tomar a palavra e explicar à ONU e a todas as pessoas decentes porque opor-se a uma decisão que contradiz categoricamente os princípios da ONU e a história de sua fundação como a aliança anti-Hitler. 

Em setembro, quando confrontado pela ONU Zayas afirmou que seus livros de história sempre foram aclamados pelos eruditos, dizendo: “Eu só recebeu comentários positivos de professores até agora.” 

As evidências, no entanto, mostram o contrário. 

Comentários de especialistas sobre Alfred de Zayas: 

Dr. Bernward Dörner, o historiador alemão especializado em antissemitismo: Zayas ignora décadas de pesquisa em sua busca para absolver os alemães de ter conhecimento do Holocausto, e sua evidência e raciocínio são falhos. (Fonte: Frankfurter Allgemeine Zeitung, 18 de abril de 2011, revisão de mais recente livro de Zayas livro Staatsgeheimnis Völkermord als – Vom Wissen über die “Endlösung der Judenfrage” im Dritten Reich (Genocídio como segredo de Estado – no conhecimento sobre “a solução final para a Questão Judaica “no Terceiro Reich). 

Professor Frank M. Brucher, em 1993: Zayas “não faz nenhuma tentativa para integrar seu trabalho com o da historiografia existente sobre a Segunda Guerra Mundial, a Alemanha nazista ou crimes de guerra em geral.” 

Artigo Main-Taunus-Kurier, 17 de setembro de 2011, por Willi van Ooyen: “Controverso especialista internacional em direito Alfred de Zayas opera no discurso da extrema direita”.

Veja também

Festa das Luzes

Amigos e colegas de Diálogo! A Festa das Luzes é um encontro para todas as …

Deixe uma resposta