Mizrahi e Sarue: aula sobre antissemitismo, na B’nai B’rith SP

A B’nai B’rith São Paulo iniciou um ciclo de palestras que se estenderá por todo o semestre, com temas da atualidade, trazendo no dia 12 de setembro último, Rachel Mizrahi e Sarita M. Saue, pesquisadoras do as pesquisadoras do LEER – Laboratório de Estudos da Etnicidade, Racismo e Discriminação da FFLCH – USP, para falar sobre o 1º Fórum Global Contra o Antissemitismo na América Latina.

O evento, promovido na Argentina nos dias 17 e 18 de Julho, reuniu parlamentares e mais de 250 especialistas de 17 países, incluindo Israel e Estados Unidos.

O Fórum teve o copatrocínio do Congresso Judaico Mundial, do Congresso Judaico Latino-Americano e da organização evangélica cristã Hispanic Israel Leadership entre outros e contou com a presença da vice-presidente da Argentina, Gabriela Michetti e do presidente do CJLA, Jack Terpins.
Entre os diversos grupos de trabalho, as palestrantes escolheram Educação e fizeram um resumo do evento ao público na B’nai B’rith, em Ecos do Antissemitismo.

A professora doutora em História. Rachel fez uma síntese da história do antissemitismo desde a Antiguidade. Sarita, pedagoga e mestre em Lingua Hebraica, Literatura e Cultura Judaica, apresentou e analisou com os presentes vários cartouns antissemitas e antissionistas que estão na internet – incluindo charges vencedoras do concurso promovido pelo Irã, como as do brasileiro Carlos Latuff – mostrando, entre outras, a forma insidiosa de ligar Israel ao nazismo. Lecionando no Colégio Alef de Paraisópolis, conhece de perto as dificuldades de ensinar aos alunos a distinguir o certo do errado na web.

Abraham Goldstein, presidente nacional da B’nai B’rith destacou a imensa quantidade de informações acessíveis aos jovens, as diversas narrativas acerca dos mesmos fatos, onde mais de uma pode ser válida, ressaltando os novos desafios aos educadores.
Sarita relatou um dos momentos mais emocionantes do Fórum, que foi a participação Ato do aniversario do atentado à AMIA – Associação Mutual Israelita Argentina – realizado em frente ao edifício, na rua, e que contou com a presença do presidente Mauricio Macri. Puderam ouvir de perto o clamor por Justiça da mãe de uma das vítimas do ataque, que deixou mais de 80 mortos e 300 feridos.

Finalizando o evento em São Paulo, o público fez inúmeras contribuições e perguntas.
Zeila Sliozbergas, presidente da B’nai B’rith São Paulo falou sobre o Projeto Mergulho que a entidade promove hoje nos quatro CEUs, que funcionam como polos de Direitos Humanos no município, abordando com uma peça de mesmo nome os temas da intolerância e discriminação, Holocausto, escravidão e racismo. Mais de 3 mil alunos já assistiram ao espetáculo, debatendo com os atores, redigindo cartas e participando dos Concursos promovidos pela instituição, como o que está em andamento.

Veja também

Nova York tem tentativa de ataque terrorista nesta manhã

O maior terminal rodoviário do mundo foi palco da tentativa de um ataque terrorista, conforme …