Ministro da Educação destaca inclusão do ensino do Holocausto como matéria curricular

O ministro da Educação, José Mendonça Filho, disse que o Holocausto foi um episódio terrível e que, por isso, é importante que os estudantes brasileiros tenham noção do mal causado pelo regime de Adolf Hitler durante a Segunda Guerra para que isso nunca mais aconteça.

Em entrevista divulgada pela Federação Israelita do Rio de Janeiro (Fierj), o ministro afirma que a decisão de incluir o ensino do Holocausto como matéria na Base Nacional Curricular “tem a ver com princípios de tolerância e de respeito ao próximo, de respeito aos direitos humanos e de respeito à pessoa, valores de uma sociedade sem preconceitos”.

“A questão agora é definir o foco entre as redes de ensino estaduais e municipais para implementação do ensino do Holocausto”.

“Os currículos serão elaborados num processo aberto, amplo e democrático, dentro dos limites estabelecidos na Base Nacional Comum Curricular, que devem regulamentar o ensino do Holocausto como ferramenta importante no combate ao preconceito, à discriminação e à violência”.

“Toda a construção da Base Nacional Comum Curricular e seus temas mais relevantes, inclusive a questão do Holocausto, se estabeleceu a partir de conferências, debates, seminários em todo o país e, evidentemente, contamos com a colaboração e contribuição da Conib, como representante da comunidade israelita no Brasil, que colocou claramente a questão do Holocausto como algo fundamental para a reflexão histórica sobre momentos abomináveis na história da Humanidade, o que evidentemente nos ajudam a refletir sobre o nosso presente e o nosso futuro”.

“Creio que essa é certamente uma grande vitória para nós, judeus brasileiros, para os que ensinam história judaica e para as instituições representativas da comunidade judaica, que há muitos anos vêm lutando para que esse resultado fosse alcançado. O MEC e o ministro Mendonça (Filho) foram parceiros relevantes, o que merece ser registrado”.

“Com isso, o Brasil passa a cumprir algumas das resoluções de organismos internacionais (ONU/UNESCO) que cobram a obrigatoriedade do ensino do Holocausto, o que também é digno de registro”.

“Abraços e parabéns a todos os que ajudaram para que chegássemos a esse resultado!”, declarou o presidente da Confederação Israelita do Brasil, Fernando K. Lottenberg, por ocasião da aprovação pelo Conselho Nacional de Educação da inclusão do ensino do Holocausto como matéria curricular.

Assista a entrevista em  www.youtube.com


Conib/Fierj

Veja também

Convenção da Conib ganha brilho filosófico com presença de Bernard-Henri Lévy

De 23 a 25 de novembro, a Confederação Israelita do Brasil (Conib) promoveu em São …