Judia Nobel de Medicina Rita Levi-Montalcini morre aos 103 anos

Neurologista realizou pesquisas durante regime fascista. Vencedora em 1986, Rita era conhecida como ´Dama das células´.

A neurologista Rita Levi-Montalcini, vencedora do Prêmio Nobel de medicina em 1986, morreu aos 103 anos em casa, na Itália, de acordo com informações do prefeito de Roma, Gianni Alemanno. A médica foi eleita senadora vitalícia do país em 2001.

Nascida em Turim, na Itália, em 22 de abril de 1909, de pai engenheiro e mãe artista, ela começou a estudar medicina aos 20 anos. Contudo, a promulgação de leis raciais impediu a jovem italiana de origem judia de continuar a se especializar em neurologia e psiquiatria.

Rita ficou conhecida como a “Dama das Células” devido a contribuições na compreensão dos mistérios das células, e conduziu sua pesquisa em segredo durante a perseguição fascista e a invasão nazista, se tornando uma das principais cientistas de seu país.

Durante a guerra, Rita improvisou um laboratório em sua cozinha e depois em casa na zona rural Piemonte, onde fazia experimentos com embriões de galinha.

Seus resultados, embora realizados em condições precárias, lhe renderam em 1947 um convite para a Universidade de Washington, em St. Louis, Missouri.

Ela permaneceu lá por 30 anos, dando continuidade a sua carreira como pesquisadora e professora, dirigindo o Instituto de Biologia Celular do Centro Nacional de Pesquisa de Roma. Em 1986 ela recebeu o Prêmio Nobel de Medicina, junto com Stanley Cohen, por sua pesquisa sobre o crescimento de células neurais.

Os trabalhos realizados por Levi-Montalcini ajudaram no entendimento de diversas condições de saúde, incluindo tumores, desenvolvimento de malformações e demência senil.

 

Veja também

Seminário e lançamento de livro marcam os sete anos da Cátedra da Cultura Judaica da PUC-SP

Nesta quarta-feira, 22 de novembro, a PUC-SP celebra os sete anos da Cátedra da Cultura …

Deixe uma resposta